sábado, dezembro 13

teço versos



para o meu mano Jó
e as suas Anas


não sei quem é o autor da foto


apesar do corpo lasso,
do tesão apascentado,
teço versos
traço planos
devaneio
me devasso.

amanhece
não percebo
perco a hora do trabalho
perco o emprego
mulher
família
equilíbrio
dinheiro

ainda assim não me emendo:
teço versos
traço planos
devaneio
me devasso

amanhece
não percebo
perco a hora da entrevista
perco a chance
perco amigos
[que não gostam de poesia]
e por isso
teço versos
traço planos
devaneio
me devasso.




Fred Matos
publicado em “Eu, Meu Outro”
Editora Poesia Diária
Maio/1999




2 comentários:

Luísa disse...

c´est comme ça, la vie!

fred disse...

Na vida como na poesia, Luísa, e vice-versa.
Obrigado, pela visita, leitura e comentário

pesquisar nas horas e horas e meias