quarta-feira, fevereiro 11

dispersão



"(...)  Resta a cama e as janelas
numa casa que nos torna vulneráveis,
e o horizonte que vemos das vidraças
é outra casa igual,
e a alcova cansa, e ao fim do dia é
a cama onde dormimos, esgotados."

Nuno Dempster




ilustração: Pieta No. 1 - Jan Saudek


para o poeta Nuno Dempster



Incapaz de voltar a dormir, maldita insônia,
e cansado de romances cuja trama caberia
de sobejo em um conto de cem linhas,
entreguei a noite ao livro de Nuno Dempster
com a pompa que dedicaria a uma sinfonia
e a atenção de quem teme deixar-se iludir
em barganha no grande bazar de Istambul

Enfim chegou-me às mãos um livro de poesia.
De uma poesia substantiva, coesa, madura,
nada análoga aos poemas datados e vagos
que parecem vir ao mundo como alucinações,
nem a outros que são lágrimas sentimentais,
baldes de amarguras, ou experimentos informes,
além de uns logros que são somente má piada.

Não há na poesia de Nuno dispersão alguma,
e após a leitura dos vinte primeiros poemas
eu já sabia que invadiria a madrugada, à mesa,
sublinhando lições de vida, de ritmo, de arte,
trechos para voltar, citar, talvez imitar se um dia
tiver coragem de um mergulho tão profundo
e paciência para lapidar, como jóia, cada verso.

Conquanto seja difícil abandonar a sua leitura,
não é um livro fácil, tal são alguns que ao cabo
parece que o tempo passou e nada aconteceu.
Há que ter cultura para entender as referencias
a locais, mitologias, circunstâncias, personagens,
ou disposição para pesquisar, preencher claros,
consultar na internet, enciclopédias, dicionários.

Eu estava na metade das quase trezentas páginas
quando amanheceu e a força da responsabilidade
me obrigou a fechar o livro, a vir para o trabalho.
Poucas vezes, porém, um dia se tornou tão lento,
e para ver se passa mais rápido é que me propus
a dizer nestes versos a satisfação que eu tive.
E a que terei quando estiver lendo o outro meio.


Fred Matos
11/02/2009



Nuno Dempster é proprietário do blog
A Esquerda da Vírgula onde se pode obter informações para aquisição do livro "Dispersão" Poesia Reunida.

16 comentários:

maré disse...

concordo em absoluto.

é uma escrita poderosíssima.

um beijo

fred disse...

Adjetivo bem escolhido, Maré. Veja-se porque:

"(...) Pergunto-me se vou assimilar
esta vida de mortes descartáveis
e se do apartamento
poderei ver a abóbada celeste
ou se a vida do lado interior
não será uma linha quebrada,
ziguezage de intenções secretas
por que se vai trocando a energia.(...)"


Obrigado pela visita, leitura e comentário.

Beijos

Ca:mila disse...

que bonito, fred!

é sempre bom ler os teus versos e obrigada por compartilhar conosco os escritos do nuno, excelentes!

beijos,

c.

fred disse...

O Nuno é um mestre do verso, Camila, e lançou um livro raro para os dias de hoje.
Agradeço-lhe pela leitura e comentário.
Beijos

anareis disse...

Estou fazendo uma campanha de doações para criar uma minibiblioteca comunitaria na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,preciso da ajuda de todos.Doações no Banco do brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Que DEUS abençõe todos nos.Meu e-mail asilvareis10@gmail.com

Nat Valarini disse...

Bom dia!

Passei para lhe avisar que lhe indiquei para receber um selo.

Passe no 'Garota Pendurada' para resgatá-lo.

Kiso

http://garotapendurada.blogspot.com/

fred disse...

Desculpe-me, anareis, mas doação em dinheiro eu não faço e não recomendo que ninguém faça, mas se é para biblioteca posso fazer enviando livros. Para isso você deve informar o endereço postal e não a conta bancária.

fred disse...

Nat,
Hoje estou vindo ao blog com tempo suficiente apenas para responder as mensagens (excesso de trabalho) e, portanto, terei que deixar para depois o cumprimento das tarefas que, certamente, receber o selo exigirá.
Agradeço-lhe por lembrar de mim.
Beijo

Adriana disse...

É incrível o que um bom livro nos proporciona. Ainda mais se for de poesia. Ainda mais se servir de inspiração para um novo bom poema como o seu. Bj

fred disse...

Adriana,
A poesia é o gênero literário no qual me considero mais apto como criador, mas, (paradoxalmente?), prefiro a leitura de prosas.
É raro encontrar um livro de poesia contemporânea com a densidade deste do Nuno Dempster. Isso não significa que não há bons poetas publicando, conheço e sou amigo de muitos, e só não os cito agora para evitar esquecer algum, mas são livros, como são os meus, “que não ficam em pé”. São pequenos livros, inclusive os meus, mas com algumas exceções, nos quais bons poemas convivem com outros que parecem estar lá apenas para que o livro não seja ainda mais fino. Já no livro de Nuno, um volume de quase 300 páginas, até agora não encontrei um único poema que não mereça ter sido publicado.
Eu não sei se será lançado no Brasil (espero que seja), mas a quem gosta de poesia e pode investir cerca de 25 euros (considerando o preço do livro e o porte) recomendo vivamente.
Obrigado pela visita, leitura e comentário.
Beijo

Amélia disse...

TES RAZÃO NO QUE DIZES.O LIVRO É O MELHOR LIVRO DE POESIA QUE ME FOI DADO LER EM 2008.(NÃO FALO, É CLARO, DOS QUE VOU RELENDO SEMPRE).TEMOS O PRIVILÉEGIO DE SER AMIGOS DO NUNO HÁ ANOS.ELE É SEGURAMENTE, NESTE INÍCIO DE SÉCULO,TALVEZ O MELHOR POETA PORTUGUÊS DA ACTUALIDADE. FOI BONITA A TUA HOMENAGEM, FRED.UM ABRAÇO GRANDE

fred disse...

Amélia,
Neste 2009 estarei comemorando 10 anos do lançamento do “Eu, Meu Outro”, como já conhecia o Nuno naquela época (participávamos no mesmo fórum de poesia da lista Poesia Diária, do Calex, da Asta e da Bel) isso significa que conheço-o, e à sua poesia, desde aquela época, e é notável que ele jamais tenha feito concessões aos modismos e experimentalismos inócuos.
Deixa-me contente que você concorde com a minha opinião, pois é opinião de quem tem conhecimento técnico para opinar.
Obrigado por vir, por ler, por comentar.
Beijos

malmal disse...

vou conhece-lo....

seu poema? vc sabe...

bijão

fred disse...

Vai conhecer o Nuno?
Que tem o meu poema, Malmal?
O que eu sei?

Beijão, amiga.

Adair Carvalhais Júnior disse...

O livro é muito bom, realmente.

Gde abraço

fred disse...

Grande abraço, Adair.

pesquisar nas horas e horas e meias