terça-feira, junho 23

eco




foto: Mário Cravo Neto

na noite dos tambores soavam
outras mil melodias tênues gotas
sonoras som
pontuando marcando
a cadência lenta do couro unto
do suor negro
eu
um todo silêncio
passos vacilantes pés descalços
pisando a escuridão úmida
nada
jamais será como nunca foi então
na noite dos tambores invisíveis
entretanto
eram remotas esperanças
as asas cujos olhos lançavam rios
raios amarelos
florestais faróis
grotões desfiladeiros montanhas
oceanos sinos surdos
e o eco
lamento da condição humana
amanhã-é-céu rolando sílabas tolas
sinais de fumaça bytes
e-mails vis
a vis vozes a vós vórtice voraz
raízes dos meus
dos teus
dos tais.


Fred Matos

17 comentários:

Adriana Godoy disse...

"lamento da condição humana
amanhã-é-céu rolando sílabas tolas
sinais de fumaça bytes
e-mails vis"
você conseguiu um diálogo entre uma das formas mais primitivas - o tambor- e a comunicação hoje sem ser pedante ou pretensioso e trouxe ecos vibrantes para arranhar a nossa voz. brilhante, Fred, soou bem, muito bem. beijo.

Fred Matos disse...

Adriana,
A sua sempre atenta leitura me deixa muitíssimo contente.
Obrigado.
Beijos

Denise disse...

E fez-se musica,fez-se dança,na maior batucada das raças e das cores.

Porque no batuque se desfez a raça.

afagos meus

De

Adriana disse...

tem um batuque natural no poema...muito bom!!!

myra disse...

maravilhoso, tudo...
nao deixe de ver meus dois ultimos posts,.Oswaldo Goeldi era um ser humano formidavel, alem de ser uma das glorias das artes brasileiras!
um abraço, myra

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe pelo comentário poético, Denise.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana, que bom que você ouviu e gostou.
Beijos

Fred Matos disse...

Não deixarei, Myra.
Agradeço-lhe por vir, por ler, por comentar.
Beijos

nina rizzi disse...

belíssimo, fred. que rufem os tambores!

beijo :)

yehuda disse...

Night and Day
teu poema é melodia
bem acima
do autor
da divino canto dos tambores
saudando o amor
noite e dia

Fred Matos disse...

Rufemo-os, Nina.
Obrigado.
Beijos

Fred Matos disse...

Meu maior fraterno abraço, bondoso Iosif.

Mirse disse...

Oi Fred, cheguei um pouco tarde, mas não poderia deixar passar esse maravilhoso poema!

O tambor, seu som,
O tambor, nosso coração...
O tambor, o centro da terra...

Você, poeta atingiu tudo e foi além, foi ao eco e resgatou nossas almas e raízes.

Parabéns, poeta!

Beijos

Mirse

Fred Matos disse...

Nunca é tarde, Mirse.
Agradeço-lhe.
Beijos

Faces disse...

pude ouvir o som de suas frases. um luxo!

irabuscacio.blogspot.com/ disse...

puder ouvir o som de suas frases. um luxo!

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a visita, leitura, comentário e por tornar-se acompanhante do blog, Ira.
Bem-vinda!
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias