sexta-feira, julho 10

helena





poderiam ser motivo destes versos
os tenros mamilos de uma deusa pagã
se eu soubesse algo acerca de divindades
e se os mamilos me fossem oferecidos
sem os desígnios ocultos que os deuses
e as mulheres têm quando nos mimam

mas a volúpia exige sangue e lágrimas e eu
já não me disponho a doar sequer suor
palavras, sorrisos, coisa alguma que seja
em troca de algo cujo preço nunca é justo

prefiro ir ao cinema assistir Sienna Guillory
que é tal qual eu imaginava a bela Helena
desde a primeira vez que li e a vi na Ilíada

mas nem por ela uma guerra vale a pena



Fred Matos
12/2/2009

18 comentários:

Adriana Godoy disse...

Será?? Brincadeira. Belo poema, Fred, deixa um ar gostoso e leve, ainda que haja uma guerra, mas interna. Lindo. Beijo.

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Espero que na próxima semana eu encontre tempo para visitar os amigos. Tenho vindo aqui só pra não perder o costume.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Hercília Fernandes disse...

"... a volúpia exige sangue e lágrimas e eu já não me disponho a doar sequer suor palavras, sorrisos, coisa alguma que seja em troca de algo cujo preço nunca é justo"...

Lindo poema, Fred. Nuas e sensatas palavras se espalham em tão farta [e vasta] mesa. Por vezes penso o mesmo...

Suas referências à Helena, seja de Tróia ou não, mexem sempre comigo. [Por que será?...]

Mais um grande poema.

Um abraço, poetíssimo!
H.F.

Obs.: Desculpe-me a ausência dos últimos dias, as coisas sérias da existência não têm me permitido grande espaço para a poética, sobretudo para apreciação dos celeiros que tanto admiro. Bjs.

Moça do Fio disse...

Olá!

Sabe que este poema fez eu me lembrar de um conto maravilhoso? É do Aníbal Machado: "Viagem aos seios de Duília". Lindo, lindo. Leia, se puder.


Beijo.

Fred Matos disse...

Por que será, Hercília?
Agradeço-lhe visita, leitura e comentário.
Também tive uma semana muito ocupada, cuidando dos assuntos ditos sérios, e não sei quando terei dias mais livres para navegar as páginas amigas. Fazer o quê? Sobreviver é preciso.
Ótimo fim de semana.

Fred Matos disse...

Vou procurar para ler, Moça .
Agradeço-lhe a indicação, visita, leitura e comentário.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Raquel disse...

Achei lindo o seu texto.

Fabio Rocha disse...

O desânimo animou o poema! Gostei. Abraços, amigo.

Simone Petry disse...

belo poema...leve como a leveza áspera da doce e ambigua Helena de Tróia.

bj

Fred Matos disse...

Que bom, Raquel.
Deixou-me contente a sua visita, leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Fabio.
Bom te ver aqui.
Abração

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe pela visita, leitura e comentário, Simone.
Beijos

Mara faturi disse...

Querido fred,

concordo com vc;)
a volúpia tem sabor agridoce....mas seu poema nos refresca; suave brisa!
bjo

Fred Matos disse...

Obrigado, Mara.
Deixa-me contente que você goste.
Beijos

Lou Vilela disse...

Texto reflexivo e muito bem construído, Fred! Gostei bastante!

Abraços,
Lou

Fred Matos disse...

Deixa-me contente que você goste, Lou.
Agradeço-lhe por vir, ler e comentar.
Beijos

Cosmunicando disse...

ironia fina, um leve blasé, gostei do poema ;)
bjos

Fred Matos disse...

Obrigado, Mercedes. Fico contente por você gostar.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias