terça-feira, setembro 30

madrugada


ilustração: foto promocional de Winona Ryder


um dia a madrugada me caiu nas pálpebras
desde então sou esta ave noturna e melancólica
de asas atrofiadas e incomensuráveis fantasias

assim tem sido e nada mais que isto almejo
porque vivo ainda o momento do seu beijo



Fred Matos

4 comentários:

Anônimo disse...

É sempre fascinante a forma como você usa as palavras.
Neste caso, o resultado é um poema de rara beleza e profundidade que nos remete a séria reflexão para além das próprias palavras.
Parabéns!
Lídia

fred disse...

Ô, Lídia, fico muitíssimo contente se o meu poeta tocou você de alguma maneira. É a explicação que me ocorre para tamanha generosidade.
Obrigado.
Volte sempre.
Beijos.

Silvia Chueire disse...

Um blog cuidadoso, escolhas fantásticas. E...Ah...os seu poemas.

Que bom relê-los!

Beijo,
Silvia

fred disse...

A fazer um blog somente com textos meus, optei por publicar coisas que gosto, sobretudo poemas de amigos. Quem sabe isso me anime a escrever. Fico contente que você goste, Silvia.
Obrigado.
Beijos.

pesquisar nas horas e horas e meias