sexta-feira, outubro 10

A ocupação do tempo - José Félix


José Félix ©



não sei quem é o autor da foto



há um bonsai na estante, ao pé de livros
com as lombadas a preceito.
a árvore anã,
na atrofia de raízes, tem
os seus contemplativos que pensam, que
o tempo se constrói na castração
metódica dos ramos indicadores,
da passagem do tempo pelo tempo.
não, não contemplo o tempo no bonsai;
eu sou o próprio tempo na
rega das plantas, no aroma das flores;
sou a porta entreaberta do teu sopro.
sim, do sopro da fala que conduz
o crânio o suporte do teu corpo
que vem até mim e dá-se.

saboreio nas pétalas violetas
o pólen que me leva
à visão do jardim da própria sala,
onde fico no tempo ocupado
de mim, de ti e de todas as plantas
que resistem ao olhar crítico. bonsai
perdido entre os livros. porque as coisas
não são simples assim, se por acaso,
não sendo acaso, tenho no bonsai
a restrita medida do meu tempo,
é porque estou além de qualquer medida
mesmo restrita da temporalidade.
é porque escrevo versos sobre o tempo,
que me interessam as frases inclinadas
nas sombras, sede das pedras quinadas
por um escultor, num lago qualquer.

ó, as pedras nas águas fertilizam
lembranças proibidas e delíquas
e me faz esquecer o cheiro da erva
que piso todo o dia. piso a erva
para restringir o tempo medido.

reparai porque os deuses são (in)temporais.
desenhamos-lhes o infinito tempo
e até na própria morte vivem vida
com os adoradores de circunstância.
as circunstâncias são o tempo todo
e só quando colhemos uma flor
nos damos conta, dou-me donta, desinteressado
de um bonsai esquecido numa estante
que não diz nada sobre o tempo ocupado.
não gosto do bonsai, e deitá-lo fora
talvez dilua noutro tempo o tempo
que eu não quero.

porque o tempo.
porque o tempo. porquê


josé félix
2000.07.01



José Nascimento Félix, nasceu em 1946, em Luanda. Licenciado em História pela F.C.S.H. da Universidade Nova de Lisboa tem poemas publicadas em dezenas antologias, além dos livros individuais "Geografia da Árvore (a reinvenção da memória) publicado em 2003 e “Travessia” , este ano.

2 comentários:

José Félix disse...

meu caro amigo fred matos

e se o mundo fosse grande nós torná-lo-íamos pequeno para as nossas conveniências.

muito agradecido pela inclusão do meu poema "a ocupação do tempo". é o que eu continuo a fazer: ocupar o tempo, nem que seja com as coisas mais inúteis.

um forte e amigo abraço de quem o admira

José Félix

fred disse...

Não há que agradecer, Félix. Sempre fui admirador da sua poesia, e conquanto me afastando das listas tenha me afastado de você, a admiração é também pela pessoa.
Tudo isso é razão para tê-lo no meu blog.
Grande abraço.

pesquisar nas horas e horas e meias