segunda-feira, novembro 10

Se o silêncio – Lilia Chaves


Lilia Chaves ©

Foto de Luiz Fonseca


 

Se o silêncio persistir

procura-me entre os relógios

e aquele pássaro

         (na gaveta)

eu sou a pena antiga

eu sou a ilha do desenho

(queimado)

        de nanquim

sou a cinza das cartas

entre os túmulos

e esta idéia gêmea em nossos corpos

(sem par).

 

Se o silêncio persistir

respira-me nos confins das noites

(no patchuli do meu aroma)

e deixa partir teu pensamento:

estou na canoa sem porto

feita de vento

e miriti.

 

Não reveles da caixinha

o segredo laqueado

e guarda o amor dos teus plurais

toca-me na capa de couro

dos cadernos teus de sonho

    relembra impresso

    o tempo nosso das palavras

 

E beija-me o silêncio...

sou este beijo que ficou

em teu lábio

                  pendurado.

 

 

Lilia Chaves é poeta, professora de Literatura Francesa, autora de ensaios sobre teoria literária e do livro de poemas E todas as orquestras acenderam a lua.

7 comentários:

yehuda disse...

você escolhe muito bem
abraço

fred disse...

Qualquer poema da Lilia seria uma boa escolha, Iosif.
Obrigado pela vista, leitura e comentário.
Abração

soledade disse...

Sempre esta delicadeza da poesia da Lilia, súbtil, um ritmo de águas mansas, e aqui também o embalo de outros sentidos. Sim, foi uma bela escolha, Fred.
Beijo grande
Sol

fred disse...

É como ouço também a melodia da poesia da Lilia.
Obrigado, Sol, pela visita, leitura e comentário.
Beijos

mariagomes disse...

que maravilha!

fred disse...

Sim.
Obrigado, Maria, pela visita, leitura e comentário.
Beijos

liliasilvestre disse...

Fred, obrigada. Você fez tudo ficar lindo. E eu fiquei toda prosa!
Bises,
Lilia

pesquisar nas horas e horas e meias