domingo, dezembro 7

 canção popular


ilustração: Jan Saudek
 
“...Apenas o poeta vende sua alma para separá-la
Do corpo que ama.”

Tomaž Šalamun
Tradução: Priscila Manhães



nem sempre o poeta ama
o corpo ao qual se acopla
quando vende sua alma
como o ladrão sua mulher 
ou o bêbado o seu casaco 
para saciar um desejo 
para enganar o seu ego 
com os aplausos fúteis  
à sua poesia elaborada 
tão vazia de significados 
quanto os mortos que habitam
nas entrelinhas dos versos

quem souber que cante outra
que seja desta o inverso.


Fred Matos
7/12/2008

6 comentários:

Máah Castro disse...

puts, interessantee o blog bêe.. :DD/

Beeijos ♥

fred disse...

Obrigado, Máah. Volte sempre.
Beijos

Pelos caminhos da vida. disse...

Linda canção popular,gostei daqui Fred.

Uma semana de luz.

bjs.

ma grande folle de soeur disse...

Olá Fred. Vim retribuir sua visita e ler seus poemas. Você tb ficou logo nos meus favoritos e vou lê-lo com muito gozo. Um abraço

fred disse...

Obrigado, Ana, espero que venha sempre. Uma semana de luz pra você também.
Beijos

fred disse...

A seleção de haicos da sua página é maravilhosa, ma grande folle de soeur, foi uma descoberta e tanto.
Fico feliz por sua visita, por ter gostado dos meus poemas e comentado.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias