quinta-feira, março 19

infância


ilustração: Jan Saudeck


escrevi este poema com os silêncios 
que sobraram no sótão 
onde 
na infância 
escondíamos as sementes 
apanhadas nas frestas 
dos paralelepípedos polidos 
de uma rua úmida 
coalhada de borboletas 
sóis siameses 
e anos luminosos 
deliciosamente nossos 
ossos nus nações limítrofes

e repito tal mantra um verso apenas:
 
nada é vão.


Fred Matos

26 comentários:

Moça do Fio disse...

Sim, nada é em vão. Tudo é válido.

E infância, é sempre bom retornar a ela, mesmo que através de lembranças.

A puerilidade, a certeza de um futuro melhor... não tem preço.

Beijos.

fred disse...

Agradeço-lhe, Moça do Fio, pela leitura e comentário.
Beijos.

Batom e poesias disse...

Por vezes acreditamos um assunto esgotado, ou que nada novo pode ser isso, você apresenta "infancia" numa abordagem aburdamente nova e bela.
Os poetas não existem em vão.
Rossana

fred disse...

Bondade sua, Rossana.
Bondade que agradeço.
Beijos

Mari Amorim disse...

Adorei Fred,
Reviver a infância,é um bálsamo para alma.

bjs,

Mari

fred disse...

Obrigado, Mari.
Beijos

Ana Martins disse...

Caro Fred,
sempre ficam da infância algumas recordações que de vez em quando nos afloram o pensamento e nos permitem viajar no tempo!

Beijinhos,
Ana Martins

Efigênia Coutinho disse...

Fred Matos
Ao ler seu poema, percebo um mundo dentro de outro mundo, onde a poesia sai pura, que coisa mais linda leio hoje seu.

PARABÉNS.....

Deixo meu convite para você ler meus versos "CONVEXO".

Efigênia Coutinho

fred disse...

Obrigado, Ana.
Deixa-me contente a sua leitura e comentário.
Beijos.

fred disse...

Claro que irei lê-la, Efigênia. E agradeço-lhe a visita, leitura e comentário.
Beijos

Priscila Bilhalva disse...

Nossa, amei o lirismo e o jogo de palavras!!!
Também escrevi muitos poemas com o silêncio e com a solidão.
Essa nostalgia poética e a força do poema são maravilhosos.. Parabéns!!

Nanda Assis disse...

a melhor saudade é a da infancia.

bjosss...

Cris Animal disse...

Toda crtiança tem uma rua e nessa rua mora a sua história. seus heróis e fantasmas. Mora segredos, mora esconderijos.
A sua rua não foi em vão!


beijos pra vc
.................Cris Animal

Adriana disse...

"a rua úmida coalhada de borboletas" adorei esta passagem, ah, essa bichinhas da infância que voam no nosso nariz!

fred disse...

Agradeço-lhe, Priscila, não apenas pela leitura e comentário, mas, também por tornar-se acompanhante do blog.
Beijos

fred disse...

Eu tenho ótimas lembranças da minha infância, Nanda, mas é claro que na poesia a fantasia tem uma parcela muito maior que as recordações.
Obrigado, amiga.
Beijos

fred disse...

Eu fui uma criança que morou em muitas ruas, e no tempo que as crianças brincavam na rua, Cris.
Agradeço-lhe a leitura e comentário.
Beijos

fred disse...

Obrigado, Adriana, fico contente por você gostar, pela leitura e comentário.
Beijos

ma grande folle de soeur disse...

Magnífico poema para variar! ;))

Adriana disse...

"escrevi este poema com os silêncios
que sobraram no sótão" Fred,que lindo. O poema todo é de uma poesia intensa. Adorável. Beijo.

fred disse...

Agradeço-lhe o generoso comentário, ma grande folle de soeur.
Beijos

fred disse...

Obrigado, Adriana, fico contente por você gostar.
Beijos

nina rizzi disse...

nada é vão.
tua poesia é de veias-abertas
: me sangram e curam...

fred disse...

Deixa-me contente o seu comentário, Nina.
Obrigado.
Beijos

Cris Animal disse...

Fred, eu não sabia, mas está correndo nos blogs: hoje é dia dos blogueiros.....rs
Não podeia deixar de dar um beijo em vc!

............Cris Animal

fred disse...

Se é assim: bom dia dos blogueiros (risos) pra você também, Cris.
Obrigado.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias