quarta-feira, agosto 12

na dimensão da poesia



para Mário Cravo Neto,
o Mariozinho, em memória



foto: Mário Cravo Neto


talvez não seja ainda
tempo de palavras
mas eu preciso te dizer
conquanto já não possas saber
que permanecerás para sempre
como permanece
o trompete de Miles
no Concierto de Aranjuez

na tela
slides se dissolvem
e a Bahia se releva inteira
corpo e alma
terra e água
mito e mistério
através do teu olhar singular
e os atabaques se fundem
com a guitarra de Hendrix
que permanece
assim como permanecerás
nas luzes, nas sombras
nos sonhos
que soubeste realizar

talvez não seja ainda
tempo de palavras
mas eu precisava te dizer
da saudade daqueles dias
que permanecerão para sempre
na dimensão da poesia.


Fred Matos


foto: Mário Cravo Neto

18 comentários:

Hercília Fernandes disse...

Belíssimo poema-homenagem, Fred.

Sente-se a admiração sincera e externalização verdadeira dos seus sentimentos.

Não há como evitar a morte, mas a eternidade se faz nos afetos e artefatos dos que sabem recordar. Seu poema é, além de uma externalização sincera ao amigo artista que partiu, um conteúdo de memória.

Lindo texto e post. Parabéns por sua sensibilidade sempre aguçadíssima!

Beijos :)
H.F.

Fred Matos disse...

Eu que te agradeço, Hercília, pela visita, leitura e generosidade do comentário.
Beijos

Adair Carvalhais Júnior disse...

Sabi que esta perda geraria um poema, pelo menos.

Ele merece, Fred. E continua vivo também por seu poema.

abração

Fred Matos disse...

Ele merecia um poema muito melhor, Adair, mas foi só este que fui capaz.
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário
Abração

Adriana Godoy disse...

Beleza, Fred...pena que ele não o leia, mas quem sabe pode sentir? Parabéns a ele e a você pelos rspectivos trabalhoas. beijos

Fred Matos disse...

Eu que te agradeço, Adriana.
Beijos

Priscila Manhães disse...

Lindo poema, Fred!
"saudade daqueles dias
que permanecerão para sempre
na dimensão da poesia."

- você sabe que admiro muito sua poesia, né?

Um beijo carinhoso

Fred Matos disse...

Sua generosidade é notável, Pri (risos), mas obviamente me deixa muito contente o seu comentário.
Obrigado.
Beijos

Mari Amorim disse...

Adorei,
Passei para fazer essa deliciosa leitura,e desejar lhe
um ótimo final de semana,
Com Boas Energias !
bjs
Mari

Mirse disse...

Fantástico, Fred!

E o tempo de dizer é agora, logo depois da grande emoção.

Fica na alma a verdade, como nesse poma quase um hino ou canção!

Parabéns, amigo

Beijos

Mirse

Fred Matos disse...

Obrigado, Mari.
Que bom que você gostou.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Fred Matos disse...

Mirse, Eu francamente acho que o tempo de dizer é antes, mas temos imensa dificuldade para dizer das afeições, às vezes para não dar margem a interpretações equivocadas, outras vezes por simples timidez, quiçá porque inconscientemente acreditamos que há coisas que não precisam ser ditas.
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário
Ótimo fim de semana.
Beijos

Elis Zampieri disse...

E as palavras não são, senão, a forma mais sublime de eternidade.
Lindo poema.
Bjos, Fred.

Fred Matos disse...

Obrigado, Elis.
Bom te rever aqui.
Ótimo fim de semana.
Beijos

BAR DO BARDO disse...

Bom texto, Fred. Enternece/dor.

Fred Matos disse...

Obrigado, Henrique.
Grande abraço

CARLA ROCHA disse...

Lindo, lindo, lindo! Parabéns pelo blog e pelas palavras que externam seus sentimentos tão profundos! Semana iluminada pra você!

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário, Carla.
Volte sempre.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias