segunda-feira, setembro 28

cantiga antiga



foto: pascal renoux



havia, quando ainda havia,
ávida de amor, uma menina
na geografia do seu corpo...


pausa para um copo de vinho
e acordes de violinos


eu dizia: havia, já não há.
e por não haver,
quem há de ser
aquela bailando ao luar?


é neste ponto que toca o piano

é uma sombra? uma miragem?
são trapaças do meu olhar?


já não faltam flautas

havia, sim, havia no ar
uma música suave,
um tênue perfume,
uma qualquer paisagem.

agora há um mar que me afoga,
qualquer rima,
qualquer droga
e nenhuma solução.


rufam os tambores



Fred Matos
publicado em "Anomalias".
Editora Kelps
Setembro/2002

22 comentários:

Wania disse...

Adorei, Fred!

Que lindo este teu entremeado com os instrumentos musicais.
Se consegue ouvir até a música embalando o poema!
BRAVO!!!!

Bjs e uma semana harmoniosa pra ti!

Lara Amaral disse...

Nossa, O Poema. Lindo! Beijos.

Fred Matos disse...

Fico contente que você goste, Wania.
Ótima semana.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Lara.
Ótima semana.
Beijos

Úrsula Avner disse...

Oi Fred,

poema bonito e bem versejado. Um abraço.

Ianê Mello disse...

Perfeita harmonia entre a poesia e a música.As palavras bailam ao som dos instrumentos musicais.Um abraço.

Jacke disse...

Sem dúvida a música nos provoca miragens e quase sempre de amor.
Abraço

José Carlos Brandão disse...

Poema muito bom, sugestivo, de ritmo encantatório, e com uma solução técnica bem interessante.

Abração.

Fred Matos disse...

Obrigado, Úrsula.
Contente pela sua visita, leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Ianê.
Grato pela visita, leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Eu acho que música é a linguagem dos deuses, Jacke, e, de fato, nos causa miragens, principalmente amorosas.
Obrigado, amiga, pela visita, leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

O seu comentário me deixa muito contente, Zé Carlos.
Abração

BAR DO BARDO disse...

boa canção de amar...

Fred Matos disse...

Obrigado, Henrique.
Abração

Tila disse...

Olá Fred, obrigada pela visita e ainda mais por se colocar como seguidor do meu blog, me sinto honrada com isso, mas eu não sou escritora, utilizo o blog pra me distrair e treinar um pouquinho a escrita, rsrs...Vou acompanhá-lo também, abraços da carioca!

Adriana Godoy disse...

"agora há um mar que me afoga,
qualquer rima, qualquer droga
e nenhuma solução." O poema todo muito bom, mas destaco esses versos que me chamaram a atençao pela força poética. beijo.

Fred Matos disse...

Eu também uso o blog para me distrair e treinar a escrita, Tila.
Agradeço-lhe por vir, ler, comentar e tornar-se acompanhante.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Aquele verso "qualquer droga", não sei não, nunca me contentou, mas tirá-lo nunca me ocorreu e não achei ainda um bom substituto.
Beijos

Mirse Maria disse...

Quando havia a menina, há uma pausa na memória para o vinho e os acordes de violinos

No bailado do verbo haver, a memória do poeta brinca com a música sempre suave do sabor de uma
lembrança!

Maravilhoso, Fred!

Parabéns, POETA!

Beijos

Mirse

Isabel Lopes disse...

Fred, vi que você está seguindo meu blog.
Obrigada!
Com isso pude conhecer o seu magnífico trabalho.
É muito bom poder sentir as imagens que você cria em sua poesia.
Vou acompanhar o seu blog e segui-lo também.
beijos,

Fred Matos disse...

Obrigado, Mirse.
Deixa-me muito contente o seu comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe por vir, por ler, por comentar e por passar a acompanhar o blog, Isabel.
Volte sempre
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias