segunda-feira, outubro 12

se eu fosse santo



ilustração: Christina Neofotistou


se eu fosse santo, faria tudo pelos meus contrários:
perdoaria dívidas e ofensas com um sorriso nos lábios,
inverteria o rumo inexorável dos calendários,
faria fama de tolo entre os que têm fama de sábios.

sim, faria tudo ao contrário do que faço, se fosse santo:
no trânsito, por exemplo, faria mesura aos barbeiros,
acreditaria piamente que os políticos fazem tanto
bem à pátria, quanto aos seus interesses rasteiros

se eu fosse santo, meus amigos, seria vegetariano:
não usaria nada que tivesse qualquer célula de animal,
doaria a minha fortuna a uma instituição ambiental

se eu fosse santo, penso que poderia mudar o mundo,
como não sou, prefiro continuar vagabundo, indo mais fundo,
do que um santo poderia, no júbilo de ser um ser normal.




Fred Matos
11/10/2009

28 comentários:

Ana Lucia Sorrentino disse...

Demais...

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a visita, leitura e o generoso comentário, Ana.
Beijos

On The Rocks disse...

se eu fosse santo, sumiria daqui!

abs

Wania disse...

Fred te prefiro assim vagabundo (tu que falou...rsrsrs) e de idéias muito fecundo do que um santo querendo mudar o mundo!!!!

Agora, um santo assim, por certo teria um séquito de devotos...rsrsrs!

Gosto muito do que tu escreve,
Bjs

Fred Matos disse...

Ainda bem que não é, Tarcísio.
Abração.

Fred Matos disse...

Obrigado, Wania. Eu fico muito contente que você goste, sobretudo porque também gosto dos seus poemas.
Beijos

Lara Amaral disse...

Fazer o quê, se não somos santos?...
Muito bom!
Abraço.

Fred Matos disse...

Jubilarmo-nos por sermos seres normais, Lara.
Obrigado por vir, por ler, por comentar.
Ótima semana.
Beijos

Mirse Maria disse...

Oi Fred!

Acho que passando muito longe da santidade, eles, os santos, me deram um tempo hoje para visitar os amigos queridos, e encontro um poema desse, digamos glorioso.

Não posso canonizar nem santificar, e nem sei se acredito nisso direito, mas se eu pudesse eu o faria o santo dos grandes e aliviantes poemas.

Poemas que tocam a alma do ser humano normal que somos. O que difere em nós é o tempero da vida, às vezes mais apurado ao sabor do gosto e do des gosto.

Amei ter vindo aqui!

Lindo como sempre, parabenizo-o pelo poema!

Beijos

Mirse

Fred Matos disse...

Fico contente, Mirse, mais que pela sua visita, leitura e comentário, pelo fato de que os fados tenham lhe dado um dia mais leve, no qual você pode visitar os amigos. Em suma: espero que esteja tudo bem (ou pelo menos melhor) com você e com os seus familiares.
Obrigado, amiga.
Beijos

Adriana Godoy disse...

Fred, esse poema dá o que pensar. Você não é santo, mas um grande poeta, ainda bem. Beijo.

Fred Matos disse...

Às vezes eu acredito que sou mesmo, Adriana (risos), outras eu penso que não, que não é bastante saber tecer palavras de maneira agradável, que a minha poesia fica devendo em invenção, mas obviamente que são efetivamente muito pouco os poetas que criaram algo absolutamente novo.
Mas isso é coisa que não me tira o sono: não escrevo para ser grande poeta, se um dia tive essa ambição, já não tenho, curei-me; escrevo porque sinto prazer em escrever e, como negar, em receber comentários como o seu e de tantos amigos cuja generosidade não se pode pôr em dúvida.
Obrigado.
Beijos

LivroErrante disse...

Fred, penso que é melhor não ser santo... exige paciência inesgotável. Se vagabundo vc terá toda a simpatia, se santo exploração e alguns lhe teriam por otário. Esse céu não vale a pena, vale?

Adriana Karnal disse...

Ninguém é santo...e no fundo...ninguém é normal...boa,Fred

nina rizzi disse...

fred, ainda bem que tu num é santo, cabra, poesia assim, bem vagabunda é que é das boas. e que poesia mais boa de proseada. gostei demais :)

e mais pra baixo, homérico. uma coisa isso aqui.

descarregou a página? rsrsrs..
beijo :)

. fina flor . disse...

ah, não precisa ser santo para ser vegetariano, eu sou vegetariana e não sou nada santa, rs*

beijos, querido

MM.

myra disse...

, otimo, pena que nao é santo:))))
beijos e amanha apareòo outra vez...

Fred Matos disse...

Não, não vale, Regina.
Obrigado por vir, ler e comentar.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Contente por você gostar.
Beijos

Fred Matos disse...

Gostei que você tenha gostado, Nina.
Pois é, descarreguei, ficou bem mais leve a página.
Beijos

Fred Matos disse...

É verdade, Mônica, pode-se ser vegetariano sem ser santo, mas não creio que se possa ser santo sem ser vegetariano, pelo menos não com a minha concepção de santidade.
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário
Beijos

Fred Matos disse...

Não tenha pena, não, Myra: gosto da minha condição humana. Talvez venha a preferir ser santo quando não mais puder usufruir das vantagens de não ser homem, oportunismo este que é inerente a ser o que sou e a não ser o que não sou. (risos).
Sim, venha mesmo. Deixa-me muito contente as suas visitas, leituras e comentários.
Obrigado.
Beijos

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Maravilha de poema!!

Para ser santo é necessário alienar-se,daí não quero ser santa nuuunca...

A poesia é perfeita,mesmo!!!

Um beijo "santificado"!!!

Sonia Regina.

Fred Matos disse...

Obrigado, Sonia, pela visita, leitura e comentário.
Beijos

Marcos Satoru Kawanami disse...

eu ainda busco a santidade, mas sou fraco.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

imagem boa e bela ao texto que se mostra

Fred Matos disse...

Eu já alcancei, Marcos, mas abdiquei porque achei muito chato. (risos).
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário.
Ótimo fim de semana.
Abração

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe, Ediney, pela visita, leitura e comentário.
Volte sempre.
Ótimo fim de semana.
Grande abraço

pesquisar nas horas e horas e meias