sexta-feira, junho 4

conversando com rilke



Foto: Fred Matos


um dia,
emergindo das elegias de Duíno,
Rainer Maria me abraçou.

pensou, creio, que eu era um anjo,
um arcanjo,
um demônio,
um deus antigo,
uma dessas entidades abstratas
que homens,
sobretudo poetas,
gostam de adorar.

me abraçou como se nos conhecêssemos,
como se fôssemos velhos amigos,
confidentes,
íntimos,
uma dessas entidades concretas
que homens,
sobretudo poetas,
gostam de adular.

me abraçou,
e eu pude sentir o peso da sua angústia.
a inútil angústia
dos que crêem na imortalidade
através da transcendência da arte.

ah! poeta estúpido,,
homem covarde,
de que te vale a tua imortalidade?
serve-te para quê?
apenas para angustiar-te
roubar-te da verdade da vida?

viver simplesmente,
eu disse,
quando ele voltava ao livro,

é a única e verdadeira arte.


Fred Matos

36 comentários:

Maria Teresa disse...

Belo poema. Parece até que dá pra ver o poeta com cara de dor, transparente de dor. Muito expressivo.
Abraço

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe pela visita e comentário, Maria Teresa.
Espero vê-la outras vezes aqui.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Lídia Borges disse...

Adorei este dialogismo do qual até se pode fazer uma reflexão existencialista ao jeito de Rilke.

L.B.

Sonhadora disse...

Um belo momento de poesia.

ah! poeta estúpido,,
homem covarde,
de que te vale a tua imortalidade?
serve-te para quê?
apenas para angustiar-te
roubar-te da verdade da vida?

Lindissimo.

beijinhos
Sonhadora

Fred Matos disse...

Lídia,
Agradeço-lhe por vir e comentar.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Sonhadora. Deixa-me contente a sua visita e comentário.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Carla Luma disse...

Fredinho,
A reflexão que eu faço é que você quer convencer a você mesmo. Acho que já lhe conheço bem: você é que acredita na imortalidade através da poesia. Ou não? De Rilke eu não sei porra nenhuma. Acho a poesia dele muito chata, muito cheia de palavras desnecessárias e grandiloquentes.
Beeeeeeeeiiiiiijooooooossssssss

Fred Matos disse...

Você agora é psicóloga, Carla? (risos). Faça a reflexão que quiser, querida. Talvez você esteja certa, talvez esteja errada, talvez esteja certa e errada, porque, para ser franco, a minha opinião sobre o assunto é tão dúbia quanto a interpretação que você fez do poema.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Carolina Caetano disse...

Eu fiquei imparcial, porque (como já ressaltou no comentário acima) você frequentou Rilke em todos os versos. Eu adorei este poema. Me assusta a ainda existência de Rilke. Me assusta e me alegra, assim eu o tenho também comigo.
Beijo!
Carolina.

Mirze Souza disse...

Lindo, Fred!

Elegias de Duíno é um dos meus livros de cabeceira!

Belo poema!

Beijos

Mirze

angela disse...

Um poema "leve", "macio" que vai revelando o lado escuro da vida (ou será da morte?). Gostei.
beijos

dade amorim disse...

Fred, você tocou num ponto que me parece hoje uma pedra-de-toque - essa relação arte-vida é das coisas mais complicadas que já tentei deslindar (ainda não consegui).

Beijo pra você.

PS: Você se importa se um dia desses eu postar um poema seu lá no Inscrições? (Não sei por que, agora me lembrei da Amélia :)

Daniela Delias disse...

Poema lindo, Fred. Grande beijo!

lis disse...

Oi Fred
Leio sempre Rainer Maria um dos grandes na literiatura alemã.
Seu poema tem um pouco o estilo, gosto.
Poetas há quem não os ame? rs
deixo abraços

myra disse...

amo a Rilke e com este poema teu, adoro tbem voce :))))
linda imagem, tantos beijos

Rodrigo Della Santina disse...

Olá, meu caro!
Rilke é um grande poeta. Admiro-o muito. Dora Ferreira e especialmente Tolentino são seus influenciados mais interessantes da poesia brasileira, pois não? Gosto da maneira aparentemente simples do Rilke de versejar. A solidão de que ele tanto fala foi-lhe um grande impulso para a alta poesia, não? Mas não sei se ele sentia angústia por isso. Pois ele gostava dessa solidão. E tenho de discordar: a imortalidade é a ânsia de todo poeta.
Quanto ao poema, a intimidade (homenagem) externada foi bastante singela, ao gosto da poesia.
Grande abraço,

Fred Matos disse...

"Me assusta a ainda existência de Rilke"

A mim também, Carolina.

Grato pela sua visita, comentário e por acompanhar o nas horas e horas e meias

Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Mirze.
A edição que eu tenho é de 1972, devo ter comprado naquele ano, ou no ano seguinte e foi quando o li. Só recentemente estive relendo-o.
Obrigado por vir e comentar.
Beijos

ma grande folle de soeur disse...

Magnífico encontro de 2 poetas grandes :) obrigada

Fred Matos disse...

Deixa-me contente que você goste, Angela. Obrigado por vir e comentar.
Beijos

Fred Matos disse...

Você pode postar este e qualquer outro que lhe apetecer, Adelaide.
A sério, eu nem ouso pretender deslindar essa relação. Felizmente a poesia não tem esse compromisso.
Obrigado pela visita, comentário e amizade.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Daniela. Deixa-me contente que goste, bem como pela visita e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe, Lis, pela leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Myra. Deixa-me sem palavras.
Beijos

Fred Matos disse...

"E tenho de discordar: a imortalidade é a ânsia de todo poeta."

Não há discordância neste ponto, Rodrigo. Não apenas de todos os petas, a imortalidade é a ânsia de todo artista.

Deixa-me contente a sua visita e comentário.

Abração

Fred Matos disse...

Exagerada, Lucília. Exageradíssima.
Obrigado amiga. Obrigado.
Beijos

Mari Amorim disse...

o vento afaga
o cabelo das velas
que apaga
Bom final de semana,
Boas energias sempre!
Mari

Fred Matos disse...

Bom fim de semana pra você também, Mari. Grato pela visita e comentário.
Beijos

Pamela Cristina Ruani. disse...

Belo blog!
Adorei os poemas e as imagens.
Obrigada por me seguir. :)

Fred Matos disse...

O seu é mais bonito que o meu, Pamela. Fico contente por você gostar, por comentar e por acompanhar o nas horas e horas e meias
Ótimo domingo
Beijos

Antonio Nahud Júnior disse...

www.cinzasdiamantes.blogspot.com

O meu blog é uma revista digital mensal em busca de um panorama do pensamento artístico. Convido-o para conhecê-lo.
Leia o meu texto O CASTELO DE RILKE...

Grato. Um abraço,
ANTONIO NAHUD JÚNIOR

Fred Matos disse...

Visitarei e lerei, Antonio.
Abraços

Lu Dantas disse...

Oi, Fred.

Vim conhecer seu blog e gostei muito. Tudo tem poesia, reflexões sobre a verdade e a existência, a essência do que é a arte.

Voltarei, viu!
Abraço

Fred Matos disse...

Lu,
Agradeço-lhe por vir e comentar. Espero que volte, sim.
Ótima semana.
Beijos

a estrangeira (Cristina Alcântara) disse...

"Quem fala de vitória? Manter-se, isso é tudo." Rilke
Sábias y tristes palabras. Bj,

Fred Matos disse...

Bom vê-la aqui, Cristina.
Obrigado, amiga.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias