terça-feira, agosto 31

pontos de vista




foto: Mário Cravo Neto



o demônio estendeu seu manto negro
abriu-me as portas do mundo ardente
porque - coitado - muito velho e doente
precisa urgentemente de substituto

eu lhes digo francamente
que não foi o baixo salário
nem as más condições de trabalho
que me fizeram recusar o cargo

o que me incomodou foi o chocalho
que eu teria pendurado ao pescoço
e também que no horário do almoço
eu não teria tempo para a sesta

no céu me tomaram por bom moço
e deus me chamou para uma entrevista
só espero que ele não insista
que eu use roupas de vigário

eu tenho meus pontos de vista
não aceito regras anacrônicas
muito menos reger a filarmônica
e o coro de anjos desdentados.


Fred Matos

18 comentários:

Bípede Falante disse...

Fred, genial, corrosivo como tem de ser!

Fred Matos disse...

Eu fico muito contente por você gostar, Bípede, e por comentar.
Obrigado.
Beijos

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Entre.dentes "desafinar o coro dos contentes"... seja céu, seja inferno... :)

Fred Matos disse...

Céu ou inferno, tanto faz, Francisco, desde que eu tenha tempo para a sesta...
Grato por vir e comentar.
Grande abraço

Isis Luna Matos disse...

Lindo painho...
Te Amo!

Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, filha.
Também te amo.
Beijão

Tania regina Contreiras disse...

Como sempre, muito bom, Fred. A qualidade de sua escrita é indiscutível. E nos figa a leitura do poema tão logo iniciemos a ler.
Abraços,

Úrsula Avner disse...

Oi Fred,

poema hilariante ! Criativos versos traçados na forma
(im)pecável de sempre... Um abraço.

Adriana Godoy disse...

Fred, apaixonante..do meu ponto de vista. beijo

Fred Matos disse...

"A qualidade de sua escrita é indiscutível."

Um elogio e tanto que agradeço comovido, Tania.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Úrsula. Gosto de receber a sua visita e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Eu fico é muito contente com o seu ponto de vista, Adriana.
Obrigado.
Beijos

Graça Pires disse...

Fred, um poema corrosivo, sim, mas cheio de humor.
Beijos

Fred Matos disse...

Graça,
Na minha opinião não há nada como o humor para curar a corrosão do cotidiano.
Agradeço-lhe pela visita e comentário.
Beijos

Mirze Souza disse...

Fred!

Que delícia de poema!

Jamais imaginaria algo assim tão puro.

Demônios, Deus, anjos céus terra e inferno convivendo de mãos dadas.

Fantástico!

Beijos, poeta!

Mirze

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe por vir e comentar, Mirze.
Pois é, deuses, demônios, anjos, são todos gente, como somos.
Beijos

Soneca disse...

Ei, lembra de mim?
A menina do "a vida não precisa fazer sentido".
Gostaria de dizer que SÓ AGORA li aquele seu pedido de desculpas(que não precisava ser feito), e eu que me desculpo por ter sido tão rude, se não me lembro, estava no pior dia do mês que uma mulher pode ter...
Ás vezes só palavras não bastam para a total compreensão mesmo, acho que fiquei aborrecida por alguns minutos, e logo esqueci, desculpe-me por isso também.

Espero que apareça por lá, eu sempre estarei por aqui à partir de agora. Minha escrita mudou, pelo que li nos arquivos, mas sempre tem alguma coisa para se aproveitar dos trapos que sobraram.

Inté
ps:Sua escrita é genial,deixo no ps para não te entediar, já que quase sempre lê isso no começo dos comentários.

Fred Matos disse...

Precisar, não precisava mesmo, Soneca. Na realidade precisamos efetivamente de poucas coisas: precisamos de ar nos pulmões, precisamos de água e de comida para nutrirmo-nos e, dependendo do clima, precisamos de agasalho para não morrer de frio. Todas as outras coisas são acessórias. Não creio porém que seja satisfatória uma vida na qual nos limitamos às coisas que precisamos, e pedir desculpas, mesmo quando sabemos que não fizemos mal algum e a mágoa é conseqüência de incompreensão, só pode fazer bem, cria a possibilidade de instauração da compreensão que não houve. De você, sim, eu me lembro, mas não me lembro do episódio a que você se refere, mas, mesmo sem recordar, tenho absoluta certeza que decorreu de alguma incompreensão, já que me conheço o suficiente para saber que não a magoaria. Às vezes, é verdade, sou franco e faço comentários que desagradam, mas sempre com o objetivo de contribuir. Como disse, não me recordo do caso.
Fico contente que você tenha vindo e espero que continue vindo sempre, se isso lhe dá prazer.
Não tenho tido muito tempo disponível para a internet e pode ser que isso perdure até o fim do ano, portanto, não se magoe no caso de que eu não possa visitar seu blog, porque até mesmo ao meu não tenho tido muito tempo para vir.
Quanto aos elogios aos meus textos, agradeço-lhe e garanto que recebo-os como se fossem ímpares, porque carinho e amizade nunca são demasiados.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias