domingo, setembro 28

entre mim e mim



ilustração: Salvador Dali

“Entre mim e mim, há vastidões bastantes
para a navegação dos meus desejos afligidos"
.

Cecília Meireles


não sei quem destes

tantos sou agora
se o que ri,
se o que chora,
se o que não chora nem ri,

mas pouco importa porque

qualquer deles sou passageiro
tenho neles

a dimensão do mundo inteiro
tendo todas as idades percorrido


”entre mim e mim
há vastidões bastantes
para a navegação dos meus desejos afligidos”.



Fred Matos





4 comentários:

VFS disse...

ah! o imenso da possibilidade.

quantas rotas em tormentas?
quantas máscaras desejadas?

sucumbes à pressão dos momentos.

nada se transfigura nos espelhos,
mas todos os dias és
mais do que a soma das tuas partes.

Muito bonito

fred disse...

entretanto, meu caro amigo,
não creia em nada que eu digo
nem creia em nada que eu negue

a minha máscara esconde um sorriso
sorriso que oculta o disfarce
que enquanto meu corpo persegue
minha alma faz em pedaços
que reuno em poemas leves
sem eixo sem nexo sem arte

Obrigado pela leitura e comentário.
Venha sempre.
Abraços

VFS disse...

Fred,

gostava de "linkar" o seu blogue no meu. Posso?
E o Poetas Lusófonos também!

fred disse...

Nem precisava pedir.
Grande abraço.

pesquisar nas horas e horas e meias