quarta-feira, outubro 8

poetas de outras horas - John Keats


ilustração: foto de Mário Cravo Neto


After dark vapors

After dark vapors have oppress'd our plains
For a long dreary season, comes a day
Born of the gentle south, and clears away
From the sick heavens all unseemly stains.
The anxious mouth, relieved from its pains,
Takes as a long-lost right the feel of May,
The eyelids with the passing coolness play,
Like rose-leaves with the drip of summer rains.
And calmest thoughts come round us -- as, of leaves
Budding, -- fruit ripening in stillness,-- autumn suns
Smiling at eve upon the quiet sheaves, --
Sweet Sappho's cheek, -- a sleeping infant's breath, --
The gradual sand that through an hour-glass runs,
A woodland rivulet, -- a Poet's death.

Jan 1817.

 

Tradução de José Lino Grünewald.

 

Após negros vapores

Após negros vapores a oprimir planícies 
Por uma longa e triste estação, vem um dia 
Nascido no suave Sul e já esvazia 
Céus enfermos de todas manchas de imundície. 
O angustiado mês, mitigando a aflição, 
Tem, de maio, no bem reavido, o sentir, 
Pálpebra em frio rápido a se divertir 
Tal rosa no pingar das chuvas de verão. 
Os calmos pensamentos nos vêm como folhas 
Brotando - fruto em paz maduro - sóis de outono 
A sorrir pelo acaso sobre imóveis molhos, - 
Doce face de Safo - o arfar do infante em sono, 
A areia gradual que escorre na ampulheta, - 
Um regato de bosque - a morte de um Poeta.



2 comentários:

hfm disse...

Há muito tempo que não e
relia Keats, foi bom encontrá-lo aqui. Um beijo.

fred disse...

Bom é encontrar-te, amiga.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias