quarta-feira, novembro 26

poema para Franz Kafka


Foto: Fred Matos

... não procuramos nem fim nem verdade, 
mas apenas diversão e espairecimento"

Franz Kafka


gordo como um deus supérfluo
eu bebia cerveja ao ar livre
escrevendo versos à vacuidade

de soslaio
na ponta do pé esquerdo
uma jovem
atira a sua sombra sobre a cidade

dança mas permanece morta

as andorinhas
se dobram como bambus
flutuam ágeis

inesperadamente
nuvens talhadas em pedra
caem sobre as casas

hoje sopra vento sudoeste

não tenho medo, sorrisinhos,
a verdade exige grandes sacrifícios

lábios vermelhos cobriu o rosto ébrio
se tivéssemos tido tempo
teríamos podido falar disso

você levantou as sobrancelhas
negligentemente
como se desenhasse na areia

creio que tenho razão neste ponto
não é possível contemplá-la

vacilei, já não há vento

de modo que agora
vou por becos estreitos
até a sua inalcançável morada

colher palavras impossíveis
plantar canteiros de alvoradas


Fred Matos
26/11/2008



6 comentários:

Pavitra disse...


posso apenas falar que esse seu poema está fantástico?

já li tantos, mas digo, foi o melhor de hoje para mim...

fred disse...

Eu fico muito contente por você gostar, Pavitra.
Obrigado.
Beijos

Ariadna Garibaldi disse...

Olá meu amigo!

Estive sem net e só por isso há dias não te visito e quando finalmente volto me deparo com esse poema. Tão belo quanto chocante, sinto-me como alguém que há dias faminto recebe uma feijoada, rsss. Parabéns, poeta, você sempre se supera e sempre nos surpreende! É sempre MUITO bom ler seus escritos!

Beijo enorme
Ada

fred disse...

Bem que eu estava estranhando a sua longa ausência, amiga Ada. Bom que tenha voltado. Obrigado pelo comentário generoso.
Beijos

paula barros disse...

Ainda me acostumando por aqui. Com os poemas e as fotos.

"a verdade exige grandes sacrifícios"

Essa frase, nesse momento meu, me chamou a atenção.

bjs

fred disse...

Paula,
Pensando aqui comigo: a mentira também pode exigir grandes sacrifícios e entre os grandes sacrifícios da mentira e os grandes sacrifícios da verdade, a verdade é sempre preferível. Já houve época na qual eu achava que a mentira se justificava se fosse para não ferir outra pessoa, hoje acho que não, que a mentira não se justifica.
É claro, contudo, que verdade e mentira, conforme a reflexão acima, são conceitos da chamada vida real. Ou seja, não tem nada a ver com a literatura, que é resultado de criação, de fantasias, de ilusão.
Além disso, se quisermos aprofundar mais a questão, e considerarmos que verdade e mentira são conceitos humanos, teremos que admitir a possibilidade de que o mesmo fato, visto de ângulos diferentes, pode significar coisas diferentes, dependendo do ponto de vista do observador. Neste caso, verdade e mentira não existiriam absolutamente. Mas como eu não entendo de física quântica, não tenho condições de seguir adiante nesta linha de raciocínio.
Beijos.

pesquisar nas horas e horas e meias