terça-feira, setembro 1

a casa


foto: Fred Matos


a casa tem três quartos
seis gatos
um menino

um quarto é branco
há um que é rosa
outro de vidro

um gato é vinho
há um que é negro
quatro cristais

o menino é verde
a sombra brilha
um homem sai

há sobre a mesa
uma foto velha
outra janela

mão estendida
uma mendiga
divide o pão

passam sorrindo
ciganos turistas
alemães

salva de palmas
ecoa na sala
rompendo o silêncio

anáguas de seda
manchadas de sangue
bailam macias

moças pintadas
aspiram fumaça
entorpecidas

todas as tintas
de todas as cores
embaralhadas

o azul da poesia
o verde do verso
bala de prata

soldados de chumbo
soluçam no sótão
canções marciais

lavou a louça
um mar de rosas
pétalas púrpuras

lembranças da infância
esquinas escuras
metáforas tontas

jogam cartas
três damas
par de ases

vide o verso
vice e versa
na cozinha

adolescentes
eqüidistantes
lições poentes

lamentam lírios
quarenta e três filhos
oitenta e dois pais

o criado mudo
não é cego nem surdo
nos galhos pardais

piratas de pano
já não fazem planos
diamantes corais

olhando o vazio
o menino assobia
o mundo jamais

o resto é mistério
o resto é poesia
eu não digo mais


Fred Matos

19 comentários:

Amélia disse...

Mas como eu gostei deste teu poema, Fred!
Beijo

Ariadna Garibaldi disse...

Que delícia de poema, me senti criança no início da leitura, crescendo e envelhecendo a cada estrofe!

Amei, como a tudo que escreves, poeta!

Beijos mil

Ada

Sonia Schmorantz disse...

Nem precisaria dizer! Está muito bonito assim...
Um abraço

dila disse...

Poema de Amor

Talvez não ser é ser sem que tu sejas,
sem que vás cortando o meio-dia
como uma flor azul, sem que caminhes
mais tarde pela névoa e pelos tijolos,

sem essa luz que levas na mão
que talvez outros não verão dourada,
que talvez ninguém soube que crescia
como a origem vermelha da rosa,

sem que sejas, enfim, sem que viesses
brusca, incitante, conhecer a minha vida,
rajada de roseira, trigo do vento,

e desde então sou porque tu és,
e desde então és, sou e somos,
e por amor serei, serás, seremos.

Pablo Neruda

Adriana Godoy disse...

Fred, uma viagem, um retorno, uma belezura seu poema. Dá vontade de cantar, pois o ritmo é forte e chama.bj

.lucas guedes disse...

eu ia falar que parece música, mas já falaram...

bonito.

.

myra disse...

sim " o resto é misterio...poesia "
lindo,
sabe o dia 1 de setembro jogaram as cinzas de meu irmao la no Arpoador, no mar de Rio....
um abraço ainda mto triste

Fred Matos disse...

Deixa-me muito contente que tenha gostado, Amélia.
Beijos

Fred Matos disse...

Interessante a sua leitura, Ada.
Agradeço-lhe.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Sonia.
Beijos

Fred Matos disse...

Lick,
Eu fiquei devendo a você uma homenagem pelos nossos 35 anos, completados ontem, mas você sabe que ontem não tive tempo nem de vir ver o blog.
Obrigado pelo Neruda.
Te amo de montão.
Infinitos beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Beijos

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe pela visita, leitura e comentário, Lucas.
Volte sempre.
Abração

Fred Matos disse...

Acho bem apropriado que o Iosif mergulhe eternamente no mar do Rio, que ele tanto amou.
Agradeço-lhe por tudo, Myra, sobretudo pela amizade.
Beijos

Mirse Maria disse...

Belíssimo, Fred!

D[a até para jogar com as palavras:

A casa tem seis gatos, um menino tem seis qurtos.
um qurto é de vidro, o outro é rosa e ha um branco...

Estrutura poética maravilhosa! que remete qualquer um à infância. Eis porque brinquei, talvez.

Mão estendida pedindo pão! Se fosse joje, seria pão?

Fred, você é um poeta com estrela de primeira grandeza!

Parabpens, POETA!

Beijos

Mirse

Mirse Maria disse...

Fred!

Que maravilha o poema ao lado, que distraída só depois notei: Canção do fogo!

Se me permitir, um dia postarei no meu blog com sua autoria e seus direitos.

Maravilhos!

Beijos

Mirse

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a generosidade do comentário, Mirse.
Claro que pode publicar o poema: lisonjeia-me que o faça.
Beijos

Wania disse...

Oi, Fred
Quanta insensibilidade a minha, não ter vindo aqui antes, me perdoe!
Perdi eu, mas recuperarei o prejuízo voltando aqui muitas vezes...

Liiiindo demais o que tu escreve...
Adorei tua “A Casa”, nos dois sentidos...
Linda aquarela de palavras e sentimentos.... o resto é o resto...nem precisas dizer mais!

Bom final de semana pra ti também,
Bjsss

PS: obrigada pela visita, te respondi por lá também!

Fred Matos disse...

Cada coisa acontece quando tem que acontecer, Wania. Bem, talvez nem sempre, mas aceitemos que seja neste caso.
Bem vinda, e, sim, venha sempre.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias