quarta-feira, novembro 18

advertência


para olegario schmitt

não sei quem é o autor da ilustração


os que me lêem precisam
de antemão saber que eu sei
que não sei nada.

não direi absolutamente nada,
mas digo:
nada absolutamente.

porque é assim
eu gostaria que entendessem
sempre um talvez implícito,
quando, talvez, não explicitado.

assim é, por exemplo, se afirmo
que isto é um poema
apesar de toda esta prosa
talvez amarrada.

talvez seja, sim, uma prosa,
pois para poema lhe falta o mínimo:
"a fala ritmada".

falta, talvez, o ser conciso.
falta, é certo, juízo,
mas de rimas não me farto.

falta o metro, que não é mais requisito:
emprestei-o a um mestre-de-obras,
um negro gordo, todo sorriso,
que constrói um prédio aqui ao lado.

mas é, talvez, um poema
porque poema eu o sinto,
talvez porque queira sentir isto
e em o sentindo
seu destino assim o traço.

talvez, se eu não o publicar,
rasgar, jogar no lixo,
não será poema nem prosa:
será literalmente
o que, de outra forma,
metaforicamente será,
por alguns, considerado.

mas é, talvez, um poema
porque é disto que me ocupo
quando estou desocupado,
ou quando, talvez, para mim
nada faça mais sentido
que manipular palavras,
meu elo com o divino,
que, talvez, exceto nelas
eu não acredito em nada.



Fred Matos

16 comentários:

marinaCavalcante disse...

Me identifiquei muito
com este seu poema (será poema?).

=]

"mas é, talvez, um poema
porque poema eu o sinto"

E o que me resta a dizer
é que também o senti como tal.
E dos bons!!! =D

Adorei! Parabéns pelo blog
e obrigada por seu comentário.

Espero que voltes!
Estou lhe seguindo. Abraços!!!

M.C.L.M disse...

mas é, talvez, um poema
porque é disto que me ocupo
quando estou desocupado,
ou quando, talvez, para mim
nada faça mais sentido
que manipular palavras,
meu elo com o divino,
que, talvez, exceto nelas
eu não acredito em nada.

Adorei!! Todo o texto!

bjs

BAR DO BARDO disse...

Há muito o que pensar. Você deu o chute inaugural...

myra disse...

este poema é incrivel, e faz a gente pensar...um grande beijo da irma do Iosif...que saudades,

Fred Matos disse...

Claro que volto, Marina.
Eu que agradeço pela visita, leitura, comentário e por acompanhar o blog.
Beijos

Batom e poesias disse...

Fred,
Não falta absolutamente nada.

É pura poesia, e tem PALAVRAS dispostas no melhor dos rítmos: a emoção.

E exceto nelas eu também não acredito em nada...

Gostei muito.
bjs
Rossana

Fred Matos disse...

Obrigado, Márcia: fico contente por você gostar e comentar.
Obrigado.
Beijos

Fred Matos disse...

Sempre há muito o que pensar, não é Henrique?, mas não consigo me sentir como quem tenha dado chute algum, o que não me impede de agradecer pela gentileza do seu comentário.
Abração

Fred Matos disse...

Obrigado, Myra.
Grande beijo pra você também.

Fred Matos disse...

Obrigado, Rossana.
Que bom que você gostou.
Beijos

Adriana Godoy disse...

Ai, ai, ai, Fred...mais um excelnte poema, e a gente fica cá a pensar...isso é bom, muito bom. vou ler de novo. Beijo.

Ianê Mello disse...

É pura poesia que encanta, seja em prosa,seja em verso, ou tenha qual forma tiver...é belo!

Sentimentos pulsam em tuas linhas.

Fortes emoções e reflexões que me fazem sempre querer voltar e aqui ficar um pouco mais...

Será poema?

Assim o sinto, assim você o sente...

O que importa a denominação.

Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Deixa-me muito contente o seu comentário.
Ótimo feriadão.
Beijos

Fred Matos disse...

Não tem mesmo importância nenhuma, Ianê. Importante é que você goste de vir aqui e que venha sempre.
Obrigado.
Ótimo feriadão.
Beijos

Flavio Dutra disse...

Poema, hehe, engraçado, bom humor, muito legal, como é interessante a forma como as diversas cabeças pensam diversamente. Abraço, amigão.

Fred Matos disse...

Se pensássemos iguais seríamos todos a mesma pessoa, e não pessoas diferentes, Flavio.
Agradeço-lhe por vir, ler e comentar.
Abraços

pesquisar nas horas e horas e meias