sexta-feira, novembro 13

ossos no saco do frade


ilustração encontrada na Internet, sem crédito


das lendas que por casualidade
caíram nos meus agrados
lembro-me a atipicidade
do caso dos ossos quebrados
encontrados no saco do frade
tio dos célebres antepassados
cuja excepcionalidade
foi terem sido julgados
por furtarem uma quantidade
não esclarecida de alcatifados
que pertenciam ao abade
pelo que foram condenados
com maior severidade
que a destinada aos celerados

sem dó nem piedade
os dois foram emparedados
nos pilares da irmandade
mas antes foram castrados
para que a moralidade
que mantinha resignados
os homens de responsabilidade
além dos mais elevados
píncaros da nossa cidade
não somassem aos seus pecados
o pecado da lubricidade
mas os falos arrancados
por erro ou fatalidade
não foram bem guardados

não se sabe a identidade
nem quantos degenerados
ou com qual finalidade
furtaram os falos cortados
que com larga publicidade
foram então cognominados
de falos da fertilidade
que passaram a ser venerados
por gente de toda idade
por solteiros por casados
que sentem dificuldade
ou foram prejudicados
uns por antiguidade
outros por outros falhados

com a possível rentabilidade
dos negócios pouco explorados
não foi mera casualidade
que imediatamente os mercados
aderissem à novidade
e logo foram tomados
de falos com tal diversidade
que havia para todos agrados:
falos de pano, falos de jade
pequenos, médios, alongados
jamais a humanidade
vira tantos desvendados
e com grande facilidade
todos foram contagiados

um século de sexualidade
imaginaram os extremados
vivida em fraternidade
que não criasse culpados
por atos de afetividade
sepultaria passados
de ignorância e crueldade
de hipocrisia e seviciados
floresceria a autenticidade
e outros valores sufocados
desde que a religiosidade
nos trouxe noções de pecados
não obstante a ambigüidade
entre atos e recados

mas a grande autoridade
temendo ver afetados
seus poderes sobre a cidade
onerou com impostos pesados
os falos e qualquer atividade
em que eles fossem usados
e culminando a arbitrariedade
à força alguns magistrados
foram recolhidos à grade
por aceitarem nos seus julgados
a tese da inconstitucionalidade
levantada pelos advogados
decretou-se a excepcionalidade
e os falos foram confiscados




a história é longa e será continuada oportunamente.

Fred Matos

16 comentários:

Gian Fabra disse...

ah... estava adorando... como termina? como termina?

Fred Matos disse...

Não sei ainda, Gian.
A verdade é que me cansei de procurar rimas em "ade" e "ados", principalmente porque evito repetições. Talvez ficasse abandonado no micro, se eu não o publicasse logo. Será mais fácil retomá-lo se na segunda parte eu vier a usar rimas com outras terminações, ou se as abandonar: esta é uma vantagem da divisão em capítulos.
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário.
Ótimo fim de semana.
Grande abraço

Wania disse...

Teus versos foram aprovados
Embora tamanha crueldade
Os falos agora serão os culpados
Por toda eternidade!!!

Muito bom, Fred!
Gostei de verdade...

Bjão

PS: aguardarei o próximo capítulo, oportunamente...

Fred Matos disse...

Bom que você gostou, Wania.
Espero que a oportunidade ocorra, e que não demore.
Obrigado
Ótimo fim de semana.
Beijos

Vieira Calado disse...

Mas a imagem primeira que nos mostra, essa, é realente espectacular!

Um abraço.

myra disse...

sim, como acaba? que crueldade! serà? a imagem é otima, e claro voce escreve sempre tao bem....brrrrrrr
beijao,

Mirse Maria disse...

Muito bom, Fred!

Dá para imaginar um final;

Com ou sem falos!

Abraços

Mirse

Adriana Karnal disse...

a história é ótima, estou sentada ouvindo sen sentir...parece um repente...muito original.

Marcos Satoru Kawanami disse...

ui!, ser capado é um pesadelo que me adeja desde que vi uma cena de subtração escrotal no filme sobre a vida de Abelardo.


=D
marcos

Ilaine disse...

Oi, Fred!

Ah, que bom ver você em meu blog, fiquei imensamente feliz. Tomara que tenha gostado e que volte. Está convidado, pois!

Aqui está lindo, uma história contada em rimas e versos. Parabéns, Fred!
Beijo

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário, Vieira.
Abraços

Fred Matos disse...

Tentarei concluir, Myra.
Agradeço-lhe a generosidade do comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

É, Mirse, dá pra imaginar alguns finais, o problema é manter, ou não, o esquema de rimas da primeira parte.
Obrigado por vir, ler e comentar.
Beijos

Fred Matos disse...

Tem semelhanças com o repente, sim, Adriana. Semelhanças rítmicas sobretudo.
Obrigado pela leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Eu nem quero pensar na possibilidade de ter um pesadelo destes, Marcos.
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário.
Abração

Fred Matos disse...

Gostei e voltarei, sim, Ilaine.
Agradeço-lhe pela visita, leitura, comentário e por passar a acompanhar o nas horas e horas e meias.
Volte sempre.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias