quinta-feira, dezembro 10

eu, narciso


para Lídice


ilustração: "Eco e Narciso"
John William Waterhouse


o espelho
águ
as calmas
guarda
doce
a imagem refletida
e o segredo do amor que me consagro.

voluptuosamente abraço-me líquido
concrecionando-me onde meus braços estendo.

somente eu posso amar-me absolutamente
e dedicar-me completa exclusividade.

quem
senão eu
pode permear meus mais íntimos anseios
sem quedar-se em melancólica perplexidade?

minha voz é música de divina sonoridade
para ouvi-la os pássaros silenciam
e
na cascata
a água adquire imobilidade.

sou feliz no bastar-me infinitamente
amando o que guardo em cada ruga do rosto:
sou velho
jovem
e eterno
enquanto houver humanidade



Fred Matos
publicado em "Eu, Meu Outro"
Maio/1999

26 comentários:

Nêssa disse...

Me ví muito nesse texto. De uns tempos pra cá, tenho aprendido muito a importância de me bastar comigo mesma. Gostei muito, adoro o mito de Narciso e as diversas interpretações que o mesmo nos permite!

Sônia Silvino disse...

Olá!Passei para deixar fluir a minha imaginação com os seus poemas!
Bom fim de semana! Abraços!

nina rizzi disse...

risos. muito bom, Fred, e vc está certo.

e o poema me lembrou um dia, numa lombra doidíssima, de frente ao espelho, bem, deixa pra lá... rsrsrs...

Ianê Mello disse...

Gosto muito dos mitos. Através deles aprendemos muito sobre nossa própria natureza.

De fato, precisamos, acima de tudo, cultivar o amor-próprio.
Só podemos amar verdadeiramente o outro quando amamos a nós mesmos.

Lindo poema, Fred.

Bom final de semana. Beijos.

Adriana Godoy disse...

Pô, Fred, então Narciso, né? Gostei e são muitos que se identificam com esses belos versos. Arrasou. beijo.

Fred Matos disse...

Todos temos, e é bom que tenhamos, algumas pitadas de Narciso, Nêssa, mas é preciso não permitir que a pitada seja excessiva.
Agradeço-lhe pela visita, leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Espero que tenha fluido e usufruído, Sônia.
Obrigado
Ótimo fim de semana.
Beijos

Fred Matos disse...

Essas histórias de lombras frente ao espelho são sempre interessantes e você me deixou curioso, Nina.
Para dar o troco, nada direi acerca de uma noite, numa egotrip, que, bem, deixa pra lá... rsrsrsr...
Agradeço-lhe vir, ler e não me contar (risos).
Ótimo fim de semana.
Beijos

Fred Matos disse...

"Só podemos amar verdadeiramente o outro quando amamos a nós mesmos."

Creio nisso, Ianê, mas precisamos ter cuidado para que o amor próprio não seja tão grande que nos leve a só amar as outras pessoas como projeção do nosso amor-próprio, resultando em um sentimento de posse que não é um amor verdadeiro, pois transforma a pessoas supostamente amada em um objeto de transferência dos nossos anseios.

Agradeço-lhe por vir, ler e comentar.
Ótimo fim de semana.

Beijos

Fred Matos disse...

Considere-me um repórter, Adriana. Claro que tenho a minha pitada de Narciso, mas já não permito que a minha imagem seja maior que o meu eu.
Obrigado pela visita, leitura e comentário.
Ótimo fim de semana.
Beijos

Mirse Maria disse...

Olá Fred!

De todos os mitos o que menos entendia era Narciso! Não havia sentido para mim, viver para apreciar-se.

Você em seus belos versos fez-me encontrar um outro modo de enterder o Mito!

belíssimo poema!

Beijos

Mirse

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe, Mirse, a visita, leitura e a generosidade do seu comentário.
Ótimo fim de semana.
Beijos

myra disse...

oi, Fred, eu tinha colocado um comentario ontem aqui, mas vejo que nao apareceu, de qualquer maneira voce sabe que amo tudo que escreve!
um grande beijo,

Graça Pires disse...

Todos temos um pouco de Narciso...
Mas os deuses moram rente às águas...
Um belo poema.
Beijos.

Chá das Cinco disse...

É meu aniversário, eu vim aqui te trazer um pedaço do meu bolo virtual.
Bjs

Elzenir disse...

Boa tarde, Fred este mundo é muito narcisista!Convivo com pessoas assim, mas acho q elas sofrem seus próprios horrores. Tem selinho p vc no releituras. Bjs

Hercília Fernandes disse...

Belíssimo, Fred.

Poema-espelho de elevadíssima literariedade. A lenda de Narciso liricamente atualizada em versos. Muito apreciei!

Com tempo... há no HF diante do espelho um curto em intertextualidade com um dos seus poemas que habita em mim. Faço referência ao texto em versos.

Forte abraço, poetíssimo. E parabéns por seu "eu, narciso". Sem qualquer sombra de dúvida, um grande poema!

Beijos :)
H.F.

Fred Matos disse...

Sei, Myra, e fico muito contente. Este ano que está para acabar me levou muitos bons amigos, mas ganhei outros e, entre eles, você se destaca e me causa orgulho.
Obrigado.
Ótimo domingo
Beijos

Fred Matos disse...

E rente aos nossos sentidos e sentimentos, Graça.
Agradeço-lhe por vir, ler e comentar.
Ótimo domingo
Beijos

Fred Matos disse...

Ê, Gê, obrigado menina: o bolo está uma delícia.
Desejo-lhe muita felicidade.
Parabéns
Beijos

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe comovido, Elzenir.
Ótimo domingo.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Hercília.
O "quando virou borboleta" é um dos meus preferidos.
Ótimo domingo
Beijos

Sônia Silvino disse...

Fred, tem presente pra ti em:
http://soniasilvinothebestblogs.blogspot.com
Passe lá!
Bjs!

Hercília Fernandes disse...

Fred,

feliz por ter ido apreciar o poema que faz referências ao seu "quando virou borboleta".

No HF diante do espelho respondi ao seu comment, e venho aqui compartilhar parte de minhas palavras:

"Me alegra que tenha apreciado, Fred. Amo verdadeiramente o seu poema "quando virou borboleta" [incrível essa coisa que acontece entre texto-leitor...]. Aliás, tudo o que você escreve é divino.

Uma grande riqueza poder compartilhar de sua poesia e, a partir da leitura, construir novos mares, portos, navios...

Muito obrigada por sua presença e, sobretudo, por nos permitir a apreciação de sua obra".

Um forte abraço, poetíssimo. Grata por tudo!

H.F.

Fred Matos disse...

Obrigado, Sônia.
Beijos

Fred Matos disse...

É comovente a sua generosidade, Hercília.
Só posso mesmo agradecer.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias