quarta-feira, dezembro 9

nada é, se não existe



foto: Sven Fennema - "no future"

não fique triste, menina,
chorar assim, é pecado.
tudo é efêmero e fado.

cumpre-nos gozar a sina

da vida que nos foi dada.

o sofrimento é baldado.


nada é se não existe,

ou é, em memória, guardado.

não há o tempo por vir,

todo o tempo é passado

e o passado só resiste

se por alguém recordado.


não fique triste, menina,

chorar assim é pecado.

se o futuro não existe

e é apagado o passado,

viva somente o momento

que é agora ao meu lado.



Fred Matos

publicado em "Eu, Meu Outro"

Maio 1999

26 comentários:

renata carneiro disse...

e quer coisa mais bonita que viver uma sequência de agoras? presente!

um beijo.

Fred Matos disse...

Acho que é mesmo uma coisa bonita, Renata, mas acho também uma pena que isso quase nunca seja possível, em virtude do tipo de civilização que a humanidade criou. Mas é uma bela utopia a da vida ligada exclusivamente ao "agora".
Obrigado pela visita, leitura e comentário.
Beijos

Essência e Palavras disse...

O momento é tudo que temos. É o exister....

adorei!

beejo

Batom e poesias disse...

Filosofia poétia ou poesia filosófica?

Quem dera conseguíssemos viver o momento presente, o agora, sem remexer na bagagem do passado nem temer o futuro.
Só se formos embora pra Pasárgada.

Lindo poema, Fred.
bjs

Rossana

myra disse...

querido fred, somente o titulo ja è um poema!!!!
sim voce tem razao...mas é muito dificil, pelo menos para mim..um abraço,

Fred Matos disse...

Obrigado, Essência e Palavras.
Beijos

Fred Matos disse...

Você tem razão, Rossana, mas, como eu disse na resposta para Renata, é um bela utopia.
Agradeço-lhe vir, ler e comentar.
Beijos

Fred Matos disse...

Muito difícil para qualquer pessoa, Myra. Dificuldade que, na minha opinião, vai aumentando gradativamente com a idade, pois aumentam sempre os nós que nos atam ao passado, além da preocupação com o futuro. Afinal somos humanos, e este é um dos preços que pagamos por usufruir da consciência.
Obrigado, amiga querida.
Beijos

Adriana Godoy disse...

carpe diem com o poeta ao lado. belo e intenso poema. beijo.

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Beijos

Isadora M. disse...

parece um poema ótimo pra virar música! pena que não tenho esse dom!

e esse poema me lembrou um lingüista, que disse que, porque estamos sempre atualizado a língua em "eu"-"aqui"-"agora", passado e futuro são meras ficções que o presente estabelece.

parabéns!

Lara Amaral disse...

Fred, amigo, que sensível poema. Senti-me em suas linhas. Muito bonito.

Beijos.

larissa. disse...

Noossa, adorei o poema!
Gosto das palavras que você usa,
é diferente do usual.

Gostei do blog! =)

beiiijos!

dila disse...

Você anda muito preguiçoso, é um lindo poema budista.
Bjs/amor

Fred Matos disse...

Eu também não tenho o dom da música, Isadora. Já pensei em escrever letras para músicas, mas nas poucas vezes que algum amigo pôs música em versos meus eu não gostei do resultado.
Agradeço-lhe por vir, ler e comentar.
Beijos

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário generoso, Lara.
Beijos

Fred Matos disse...

”Gosto das palavras que você usa, é diferente do usual.”

Interessante a sua observação, Larissa. Por um lado é um atestado de que a língua é um organismo vivo, no qual algumas palavras caem em desuso e outras surgem. Por outro que eu sou um dinossauro vocabular. (risos).
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Preguiça? Eu, Lick?
Nada disso: é falta de tempo mesmo, não dá pra escrever pedalando nem caminhando. (risos).
Também de amo.
Beijão

J.F. de Souza disse...

talvez nao faça mesmo diferença
as marcas
que insistimos em deixar
ao longo
do tempo

nada fica
tudo se apaga

J.F. de Souza disse...

Ah! Gostaria de te convidar pra participar do nosso Amigo Poético no B7C este ano, meu caro!

http://blogdesete.blogspot.com/2009/12/amigo-poetico-ano-2.html

Participe! Vai ser divertido. =)

1[]!

Duanny!. disse...

Há, eu que sou a fã!
morro de invejo de todos esses seus livros publicados.. =)

você mereceu.. parabéns.
lindo poema! ;*

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário, J.F., bem como o convite que aceito.
Abraços

Fred Matos disse...

Não é caso de inveja, Duanny. Tenho idade pra ser seu avô, lancei meu primeiro livro aos 47 anos. Se você continuar escrevendo terá muitos livros publicados quando tiver a minha idade. Só depende de você.
Fico contente com a sua visita, leitura e comentário.
Beijos

LeeK- "aprendiz de sonhador" disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LeeK- "aprendiz de sonhador" disse...

depois de remover erros, volto a comentar...

"E porque meninas choram...
choram e amadurecem em vida...
ou choram por serem mal coomprendidas"!

agradeço sua visita qurido poeta,
obrig por me seguir.

exelentes blog. parabens

leek

Fred Matos disse...

Os meninos também choram, Leek, apesar de a nossa civilização considerar que "homem que é homem não chora", coisa que é uma grande estupidez e que talvez seja responsável por problemas psicológicos causados pela repressão à exteriorização de um sentimento.
E tanto as meninas como os meninos, choram, geralmente, porque têm a ambição maior que a capacidade de conquistar. Não apenas ambição de bens materiais, mas também a ambição de conquistas emocionais.
Agradeço-lhe a visita, leitura e comentário.
Ótimo domingo.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias