quarta-feira, abril 7

chororô



não sei que é o autor da ilustração



Dois oceanos do planeta
formaram-se das minhas lágrimas,
além da Bacia Amazônica
do Arno, do Tigre e do Eufrates

Chorei tanto que há quem diga
que as minhas lágrimas irrigam
o subterrâneo de Marte.
Mas não creia: é pura intriga

Por tantas lágrimas derramadas
sofri fatal desidratação
e fui enviado ao reino de Hades.

Contudo, na travessia do Estinge,
o barqueiro, tomado de comoção,
remou na contra-mão.


Fred Matos

29 comentários:

Mari Amorim disse...

Fred,
com certeza esse chororô,é pura intriga!
saudades,grande abraço
Mari

Fred Matos disse...

Fulminado, no bom sentido, fico eu com a sua imensa generosidade, Rafael.
Obrigado, amigo.
Abração

Fred Matos disse...

Capaz que seja mesmo, Mari.
Sempre contente quando você me visita e comenta.
Obrigado.
Beijos

Lídia Borges disse...

Interessante este soneto, com uma imagem em perfeito dialogismo com as palavras.

L.B.

Fabiana Alves disse...

Adoro mitologia! O poema ficou muito bom!
Abraço carinhoso!

Ju Fuzetto disse...

Lindo poema amigo!
Boa Noite!!
abraço

Mirse Maria disse...

Lindo, Fred!

Mas nem consigo imaginar um choro assim. O barqueiro até poderia ser tomado de comoção, mas não, remar na contra-mão.

Beijos

Mirse

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Que Caronte te proteja desde tresontonte... :D

Carla Luma disse...

E o Tietê?
Beeeeiiijo

Renata Magalhães disse...

É interessante a proporção que as "lágrimas" tomam no poema. Elas se mostram tão intensas e, ao mesmo tempo, tão cheias de um sentimentalismo profundo que percorrem lugares distantes, como o Eufrates, Marte (...). E para completar ainda mais o trabalho com as palavras, você soube utilizar de um recurso visual que preencheu e deu maior sentido ao que abordou. Belo poema, na verdade, bela poesia. Abraço!

Márcia Maia disse...

Que delícia de poema, Fred!
Um beijo por ele.

Fred Matos disse...

Obrigado, Lídia.
É sempre bom receber o seu comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Fabiana.
Obrigado.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Ju.
Gosto quando você gosta.
Beijos

Fred Matos disse...

"Mas nem consigo imaginar um choro assim."

Imaginar eu consigo, Mirse. Chorar mesmo é que está ficando cada dia mais difícil: eu que chorava assistindo filmes românticos ou quando via/lia/ouvia notícias tristes...
Acho que estou embrutecendo.

Beijos, amiga.

Fred Matos disse...

"Que Caronte te proteja..."

Que ele sempre erre o caminho e reme na contra-mão: sabe-se lá.

Obrigado, Francisco.

Abração

Fred Matos disse...

O Tietê, Carla, eu soube que é lágrima sua. Ou não?
Obrigado, amiga, pela visita e pergunta.
Beijos

Fred Matos disse...

Renata,
Devo confessar que o poema é uma consequência da imagem que encontrei na Internet, lamentavelmente sem crédito para o autor.
Assim que a vi o poema me ocorreu quase exatamente como está.
Agradeço-lhe pela leitura e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Márcia, minha querida amiga. É um prazer imenso vê-la aqui, e fico ainda mais envaidecido por você gostar do poema.
Obrigado.
Venha mais vezes: adorarei.
Beijos

Graça Pires disse...

Chegaram aqui as suas lágrimas...
Um belo poema.
Beijos

Fred Matos disse...

"Chegaram aqui as suas lágrimas..."

Que não te afoguem. (risos).

Obrigado, Graça, por vir e comentar.

Beijos

Tainã Steinmetz disse...

Eu já tive crises de choro assim...

J. disse...

Fred, o olho da imagem me fez lembrar tanto dos meus próprios olhos. Que guardam esse azul-oceano e ainda têm um quê de verde-esperança, mas que, de vez em quando, assumem um tom cinza - "parece cocaína, mas é só tristeza".
E o seu texto só confirmou esse dolorido sentir. Ainda assim, é bonito.

Beijos.

Fred Matos disse...

"Eu já tive crises de choro assim..."

Eu também, Tainã. Acho que todo mundo já teve, mas espero que essas crises continuem no passado.

Obrigado por vir e comentar.
Beijos

Fred Matos disse...

Minha mãe é que tinha este azul-oceano nos olhos, Juliana. Nenhum dos filhos herdou os olhos dela. Os meus são castanhos claros que ficam esverdeados quando a luminosidade é muito intensa. Mas, mais importante que os olhos é o olhar. E, vendo as suas fotos, eu sinto uma inveja saudável do seu olhar.
Agradeço-lhe por vir e comentar.
Beijos

Elis Zampieri disse...

Lágrimas de Deus??? E como tem chovido né!
Lindo o poema.
Bjo Fred

Fred Matos disse...

A sua pergunta me leva a outra, Elis:
Deus chora?
Se chorar vai subir muito no meu conceito.
Obrigado, amiga, pela visita e comentário.
Ótimo fim de semana, com ou sem chuva.
Beijos

Lorena Sanches disse...

Pois é, Fred. Nada na vida é definitivo. Tudo passa. Mas as vezes estamos tão absortos no nosso sofrimento que não enxergamos. Mas sempre podemos contar com uma força divina maior que todo nós e de repente o mundo conspira a nosso favor de modo inesperado. Daí, muda-se o rumo, como descrito no poema.

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe pela visita, leitura e comentário, Lorena.
Obrigado.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias