segunda-feira, abril 5

preto e branco



Foto: Mário Cravo Neto



Para o poeta

Francisco de Sousa Vieira Filho




gosto de foto em preto e branco
do preto e branco em filme noir
do preto e branco dos contratos
de feijão preto no arroz-de-hauçá

do encontro entre brancos e pretos
há a escravidão a lamentar
mas da amálgama nasceu nosso povo
e uma cultura sem par

contudo, caríssimo Francisco
este poema é pra concordar contigo
que preto e branco não dá

quando se trata de ver a vida
como se fosse um cara ou coroa
e vendo-a assim, vivê-la à-toa



Fred Matos

40 comentários:

Liene disse...

Olá Fred!

Que delícia de leitura... simples e carregada de significados no dueto de cores.

Grande abraço!

Fred Matos disse...

Obrigado, Liena.
Deixa-me contente receber a sua visita, leitura e comentário.
Espero vê-la outras vezes nas horas e horas e meias
Ótima semana.
Beijos

Dedé disse...

Olá Fred, bem vindo ao "Nicest Thing". Adorei seu blog! Tmb sou sua seguidora!
Bejos

Fred Matos disse...

Que bom que você veio, gostou, e se tornou seguidora, Dedé. Deixa-me contente e eu agradeço.
Ótima semana.
Beijos

Juliana. disse...

Sim, é na diferença que está a beleza, pode ser de todas as cores, o importante é viver a vida, concordo contigo e com o poema ao Francisco..
Um abraço meu caro!

Fred Matos disse...

"concordo contigo e com o poema ao Francisco.."

Obrigado, Juliana. Deixa-me contente que você concorde, bem como a sua presença e comentário.

Beijos

Juci Barros disse...

Aplausos...

Fatima Cristina disse...

Viver a vida em preto e branco vai de contra à natureza. É como passar a primavera sem sentir o aroma das flores e o outono sem provar o sabor dos seus frutos. A vida em sua plenitude incorpora cores, muitas cores. Cada uma mais viva do que a outra!

É sempre bom vir aqui Fred e ler seus poemas.

Beijos!

Valvesta disse...

...complementa-se, e só.

Que este nosso pequeno mundo virtual seja cada vez mais
humano e o real também.
Que tudo o que sonhamos se transforme em realidade.
Que o Amor pelo próximo seja nossa meta absoluta.
Que nossa jornada de hoje esteja repleta de flores.
boa semana e beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Juci.
Obrigado.
Beijos

Fred Matos disse...

"É sempre bom vir aqui Fred e ler seus poemas"

Bom mesmo, minha amiga, é receber a sua visita e comentário.

Obrigado.
Beijos

Fred Matos disse...

"Que este nosso pequeno mundo virtual seja cada vez mais
humano e o real também."


Eu não poderia desejar coisa melhor, Val.

Grato pela visita e mensagem.
Beijos

Karla Thayse disse...

Suas poesias são encantadoras!
Tenah uma ótima semana...
Beijo

Lara Amaral disse...

Muito bom! Dois grandes poetas, vcs, que admiro muito.

Beijos.

Lila disse...

Muito lindo....bjs

ma grande folle de soeur disse...

ah preto e branco
não dá?
mas branco e preta
dá?
e preto e branca
dá?

dá lindos seres caffélatte ;)

Adriana Godoy disse...

Fred, é isso mesmo. Lindo. beijo.

Larissa disse...

que poema lindo...
Amei a foto também, eu amo preto/branco. Acho uma combinação incrível!

;*

Fred Matos disse...

Obrigado, Karla. Seu comentário me alegrou muito.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Lara.
Envaideço-me com o seu comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Lila.
Obrigado.
Beijos

Fred Matos disse...

"dá lindos seres caffélatte"

Também acho.
Obrigado, Lucília.
Sempre bom vê-la aqui.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Gosto que você goste.
Beijos

Fred Matos disse...

"Amei a foto também"

Larissa,
Mariozinho, foi, na minha opinião um dos melhores fotógrafos brasileiros de todos os tempos. Não há como negar que a foto é muito melhor que o poema.
Sou-lhe grato por vir e comentar.
Beijos

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

Adorei o texto!

abs...

Fred Matos disse...

E eu adorei que você tenha adorado, Márcia.
Obrigado
Beijos

Letícia Mariano. ღ disse...

Adoro preto-e-branco, mas um pouco de cor não faz mal à ninguém! ;)


Lindo poema, Fred...
Abraços,

Letícia Mariano

Paula Laranjeira disse...

Gosto deste tipo de construção em que se brinca a sério, jogando com os sentidos das palavras. É gostoso ver a palavra ser multipla, pluri, ser outra a depender de quem ler, de quem a vive, de quem a sente.

Ótimo soneto!

Abraços em preto e branco para um outro dia um abraço colorido...

Fred Matos disse...

"Adoro preto-e-branco, mas um pouco de cor não faz mal à ninguém! ;)"

Faz muito bem, Letícia.
Obrigado, amiga, por vir e comentar.
Beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Paula. Seu comentário me envaidece.
Obrigado
Beijos

Wania disse...

Quando se trata de ver a vida... não quero todas as cores juntas nem a ausência delas, quero mesmo é vê-la em um arco-íris!

Tenho que concordar com os dois poetas!
Muito bom, Fred
Bjs

Fred Matos disse...

Obrigado, Wania.
É sempre bom estar de acordo com você.
Beijos

A Moni. disse...

E no vai-e-vem do preto e branco, um mundo de cores a vigiar...

Adorei, Fred! Abraços!

J. disse...

Que bonita homenagem, Fred. Eu também gosto de preto e branco, mas cores também são essenciais.

Beijocas.

dade amorim disse...

Quando os poetas se encontram, ganhamos nós, leitores, alguma verdade assim deliciosa.

Beijo, Fred.

Carla Luma disse...

Rimar filme noir com arroz-de-hauçá me deixou de quatro, Fredinho. Esse arroz é invenção sua ou de Dilinha?

Beeeeeiiiiiiiijo.

Fred Matos disse...

Obrigado, Moni. Gosto que você goste, e quando vem e comenta.
Beijos

Fred Matos disse...

"gosto de preto e branco, mas cores também são essenciais."

E as suas fotos dão testemunho disso, Juliana.

Obrigado, amiga.
Beijos

Fred Matos disse...

Deliciosa mesmo é receber a sua visita e comentário, Adelaide.
Obrigado, querida.
Beijos

Fred Matos disse...

"Esse arroz é invenção sua ou de Dilinha?"

O arroz-de-hauçá, Carla, é um prato afro-baiano, introduzido pelos escravos negros hauçás.
Consiste em uma coroa de arroz empapado com leite de coco, em torno de carne seca desfiada acebolada.
Sobre o arroz vai um molho de camarão seco defumado, ao dendê. Na internet você acha a receita.

Grato pela visita e comentário.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias