terça-feira, junho 22

é assim





Faz poucos minutos que eu soube, através da edição de junho da Germina – Revista de Literatura e Arte, que o amigo, poeta e contista Fausto Rodrigues Valle faleceu no dia 12 de maio.

Fausto foi um dos poucos amigos virtuais que eu tive o prazer de conhecer pessoalmente. Devo-lhe o incentivo e empenho pessoal para a publicação do “Anomalias”, livro que ele não apenas prefaciou, mas para o qual arrumou a editora e acompanhou a produção.

Fausto Rodrigues Valle, nasceu em Araxá (MG), em 1930. Estudou Medicina em Belo Horizonte. Morava em Goiânia desde 1961. Em 1988 publicou pela Zamenhoff Editores, o seu primeiro livro de poesia “A fonte do sal”. Também de poesia são:”Cravos sobre a mesa” em 1992, “Relógio de areia” em 1998, “Aldeia Absurda” em 1999 e “Poemas dispersos” em 2005, todos pela Editora Kelps. Além dos livros de poesia, publicou os livros de contos “Confraria dos marimbondos”, em 2001 pela Editora Kelps e, em 2005, “Um boi no telhado”, pela R&F Editora.


Na falta de palavras minhas, despeço-me do amigo com palavras dele:


O desejo vem, vai,
volta, persiste,
perdura, insiste,
mas o que se deseja?

Ambição,
cobiça,
anseio,
aspiração!

Pra que, meu Deus?

É assim, é assim,
até que, prosaicamente,
nos silenciemos
para sempre.

Fausto Valle





na foto antiga: Dila, Eu, Fausto e Clenira, no meu apartamento em Salvador

20 comentários:

myra disse...

mais um poeta que vai para longe...
era tambem amigo de meu irmao?

que tristeza...
um enorme abraço

Prity disse...

Que Deus o esteja esperando com os braços abertos, e que lhe dê uma cadernetinha para fabricar poemas das belevas inimagináveis do Céu.

Fred Matos disse...

Sim, Myra. O Fausto era amigo do Iosif.
É, estou muito triste.
Obrigado, amiga.
Beijos

Fred Matos disse...

Espero que sim, Prity. Gostaria de crer nisso e que os meus amigos que partiram estejam lá em cima rindo da nossa tristeza cá em baixo.
Obrigado por comentar.
Beijos

Carolina Lauriano disse...

Mais um poeta que se vai... E que poema maravilhoso esse sobre os desejos, a mais pura verdade.
Também fiquei muito triste de saber o falecimento do escritor português José Saramago. O que me consola é saber que esses grandes escritores deixaram suas obras tão sensíveis e reveladoras sobre o homem.

Fred Matos disse...

Pois é, Carolina, as pessoas passam, mas algo delas continua vivendo nas coisas que constróem, sejam poemas, esculturas, ou até mesmo pelo exemplo de vida que deixam. Alguns deixam muito. Fauto não é um escritor famoso como Saramago, mas para os amigos era muito mais importante, sobretudo pelo grande caráter, porque era um íntegro, era um exemplo.
Grato por vir e comentar.
Beijos

Batom e poesias disse...

Sem originalidade nenhuma, eu posto a frase do Pessoa: "Morrer é só virar a esquina e deixar de ser visto".

Pessoalmente, acho que poetas não morrem, pois ficam-se os versos.

bjs, amigo.
Rossana

Mirze Souza disse...

Fred!

Você passou a emoção da perda de um amigo!

Sinto por você e por ele.

Mas sempre acho que poetas de valor assim, não morrem, se eternizam.

Um forte abraço!

Mirze

Fred Matos disse...

Ah!, amiga Rossana. Como ser original nessas horas?
Grato por vir e consolar.
Beijos

Fred Matos disse...

Que seja, Mirze. Que seja.
Morro um pouco com cada amigo que se vai.
Obrigado, amiga.
Beijos

nina rizzi disse...

o poema dele diz tudo, fred.

beijos.

Fred Matos disse...

Diz, Nina. Por isso foi que preferi as palavras dele às minhas.
Obrigado.
Beijos

OutrosEncantos disse...

... P'ra quê meu Deus?!...
P'ra quê?!... se afinal tudo acaba assim...
Num repente a gente tem que dizer aquele adeus que detesta, e mais ainda porque há gente que a gente não pode tirar do coração, nunca mais.
Lamento a rua perda, Fred.

Me perdoa te dizer neste sitio, de momento triste, que estou contente porque te ganhei no meu cantinho.
Obrigada, Fred.
Beijo

Rafael Castellar das Neves disse...

Não o conhecia, mas é uma ótima sugestão...muito bom!

Que ele esteja em paz em um lugar melhor!

[]s

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe, OutrosEncantos, por vir, pelas palavras e por acompanhar o blog.
Beijos

Fred Matos disse...

Pois é, Rafael. O Fausto era mesmo muito bom.
Grato pela visita e comentário.
Abraços

tania não desista disse...

fred! quanta ternura transmitiu com suas palavras! dividiu a emoção ...pela perda do amigo.
lindo o poema postado!
que DEUS o acolha!
bjo
taniamariza

Fred Matos disse...

Obrigado, Taniamariza. Sua presença e palavras me alegram.
Beijos

rosa pena disse...

Fausto era um amigão. Fiquei mal.O grupo da gaiola perdeu, Rod, Anibal, Iosif e agora Fausto. Beijos tristes meu amigo..rosa

Fred Matos disse...

Eu não participava deste grupo, Rosa, mas todos os citados eram meus amigos, além de outros que também partiram recentemente. Isso mata a gente.
Grato por sua visita e participação.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias