domingo, junho 13

sol rumo ao sono



ilustração: Alessandro Bavari


"sol rumo ao sono, sombras sobre o oceano"

Homero
do Canto 11 da Odisséia

tradução: Augusto e Haroldo de Campos
e Décio Pignatari, via Ezra Pound





quando eu estiver batendo os pinos
com a boca banguela, gordura na pança
das paixões só me restarem lembranças
escreverei os meus versos alexandrinos

mas é preciso antes ter perseverança
para estudar a métrica da idade média
e outras tantas regras que a enciclopédia
informa que tiveram origem na França

não creio porém que seja uma tragédia
abandonar no fim da vida os versos livres
pior será não mais gozar dos dias incríveis
que tornaram a minha vida esta comédia

perdoe-me, Homero, se no dístico o profano:
sol rumo ao sono, sombras sobre o oceano.


Fred Matos

20 comentários:

Sylvio de Alencar. disse...

Poemaço!

Adriana Godoy disse...

Uau,Fred, arrasou com ou sem os versos alexandrinos...bom demais. Beijo

Mila disse...

Que poema lindo, versos perfeitos.
Bjs
Mila Lopes

Fred Matos disse...

Grato, Sulvio, pela visita e gentil comentário.
Abraços

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana.
Beijos

Fred Matos disse...

Bondade sua, Mila.
Obrigado.
Beijos

Assis Freitas disse...

belo,belo,

abraço

Fred Matos disse...

Obrigado, Assis.
Abração

Mari Amorim disse...

Fred,
Obrigada,e excelente semana pra vc,sucesso!
Boas energias,
Mari

Fred Matos disse...

Obrigado, Mari.
Beijos

Valéria Sorohan disse...

Nossa! Fazia tempo que eu não vinha aqui… está simplesmente lindooooo o cantinho novo! Ameeei!
Os versos emocionante.

BeijooO'

Márcia Maia disse...

eita, Fred, arrasou!
beijo e beijo.

Andrea de Godoy Neto disse...

que beleza, Fred!
só não gostei da boca banguela (que isso me dá arrepios)...rs

brincadeira, gostei de tudo.
Ótimos versos!

beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Valéria, deixa-me contente a sua visita e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Márcia.
Obrigado.
Beijos

Fred Matos disse...

Mas eu ainda tenho dois dentes, Andrea.
Agradeço-lhe pela visita e comentário.
Beijos

Deia disse...

Fred, fantástico! Confesso que no início fiquei olhando a ilustração do poema pensando "taí, esse lugar eu não reconheço" - levei um segundo para entender que esse post não era sobre a sua viagem! rsrs tudo bem, é o frio! Obrigada pela visita! Um beijo, Deia

Fred Matos disse...

Sou eu que agradeço, Deia, pela visita e comentário.
Beijos

Rodrigo Della Santina disse...

Meu caro, Manuel Bandeira sonetou até o fim de sua vida. Numa conversa que teve com Drummond, quando este iniciava-se na poesia, perguntou-lhe se ele possuía um soneto dentre os tantos poemas que o mineiro lhe apresentava. Drummond respondeu que sim. E Bandeira disse que sabendo ele dominar o soneto poderia dominar as outras fôrmas. E assim também não é na arte? Os grande pintores, por exemplo, tinham pleno conhecimento da arte clássica, pois não? Picasso, Modigliani... Mas claro que o que falei você já sabe. Fi-lo para ilustrar que gostei de seu poema e que sonetar ou versejar em versos regulares não é uma queda em sua poesia, e sim uma extensão da mesma.
Grande abraço,

Fred Matos disse...

"sonetar ou versejar em versos regulares não é uma queda em sua poesia, e sim uma extensão da mesma."

Eu sei que não, Rodrigo. Na realidade eu sinto mais dificuldade em conseguir um bom poema livre que quando apoiado nas fôrmas e nas rimas, que me chegam com naturalidade. Se eu não me vigiar só sai soneto.

Abração

pesquisar nas horas e horas e meias