segunda-feira, julho 26

horizontes - quarto poema



Foto: Fred Matos



meus olhos buscam um horizonte etéreo,
no aparente caos da arquitetura celeste,
e fitam, além dele, além do leste e do oeste,
onde deus engendra os seus mistérios.

vejo-o, ele brinca, não é um homem velho
como vi retratado nos versos de dante.
tem ao lado, magoado, a presença constante
de um poeta pândego, que se pretende sério.

reconheço-o. sou eu mesmo, neste espelho,
que as mazelas humanas reflete.
revolta-me ver que sou um marionete,
que ele manipula sem amor ou zelo.

meus olhos voltam rápidos ao horizonte,
que desta verdade me quero distante.




Fred Matos

publicado em "Eu, Meu Outro"
Editora Poesia Diária
Maio/1999
e na Antologia Horizontes
Editora Poesia Diária
Setembro/1999

18 comentários:

Folhas de Andreza disse...

a imagem fala por sí só...que belas palavras...
otima semana,bjks doce ♥.

Fred Matos disse...

Agradeço-lhe a visita, comentário e por acompanhar o blog, Andreza.
Ótima semana.
Beijos

Sandra Botelho disse...

Lindo poema, as vezes somos reflexos de nós mesmos. Bjos achocolatados

Insana disse...

Isto parece algo pertubante.

bjs
Insana

Folhas de Andreza disse...

Obrigada!...por estar entre as folhagens...

myra disse...

cabeçalho belissimo, foto igual enquanto ao poema, nem se diga: formosisssssssimo!
beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Sandra.
Beijos

Fred Matos disse...

Algo insano, Insana.
Grato pelo comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Não tem do que, Andreza.
Beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Myra.
Troquei a foto do blog para ver se ficava mais leve, parece que sim. Ou você continua tendo dificuldade para entrar?
Obrigado.
Beijos

Observando e Absorvendo disse...

Fred!
Que delicia de imagens tem seu
blog, os textos estou absorvendo ainda,
mas são belos.
Lindo dia pra nós.
Vou aodrar que passe no meu canto.
Bjinsn entre sonhos e delírios

Fred Matos disse...

"Vou adorar que passe no meu canto."

Passo, sim, moça.
Grato pela visita e comentário.
Lindo dia para todos.
Beijos

Batom e poesias disse...

Reconhecer-se é doloroso.
Poema (como sempre) estupendo, Fred.
Bravissimo!

bj
Rossana

Fred Matos disse...

Obrigado, Rossana. Sempre bom receber o seu comentário.
Beijos

Márcia Luz disse...

Acabo de chegar de Tiradentes-MG e seu blog parece me chamar de volta.
Amei o texto e a imagem!

Mirze Souza disse...

Nossa Fred!

Essa busca valeu à pena e o poema!

Mesmo que o horizonte etéreo não seja encontrado, já se apercebeu de sua presença!

Fantástico!

Beijos

Mirze

Fred Matos disse...

Tiradentes é um lugar do qual não dá vontade de voltar, Márcia.
Grato pela visita e comentário.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Mirze. Sempre contente por receber o seu comentário.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias