terça-feira, maio 26

a música das horas e horas e meias


O mundo é um moinho

Cartola





Simone




Composição: Cartola


Ainda é cedo, amor,
Mal começaste a conhecer a vida
Já anuncias a hora de partida
Sem saber mesmo o rumo que iras tomar

Preste atenção, querida,
Embora eu saiba que estás resolvida
Em cada esquina cai um pouco tua vida
Em pouco tempo não serás mais o que és

Ouça-me bem, amor,
Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho.
Vai reduzir as ilusões à pó

Preste atenção, querida,
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás à beira do abismo
Abismo que cavastes com teus pés


2 comentários:

Mirse disse...

Nossa Fred! Você me fez chorar!

Isto é normal, o anormal é chorar de emoção por coisas lindas.

Amo Cartola e sei que essa música ele fez para a filha que começava a vida de prostiuição.

às vezes me pergunto como pessoas com a sensibilidade dele, com as poucas oportunidades que a vida lhe ofereceu, pode tornar-se um mestre.

Maravilhoso!

Fred, sempre que venho aqui me encanto!

Obrigada!

Parabéns!

Abraços

Mirse

fred disse...

"às vezes me pergunto como pessoas com a sensibilidade dele, com as poucas oportunidades que a vida lhe ofereceu, pode tornar-se um mestre."
Mirse,
Eu creio, mas posso estar errado, que a poesia, assim como a música, é um dom de nascença. Alguns são duplamente privilegiados e nascem com dom tanto para a música quanto para a poesia, que são artes com fundamento no ritmo, mas ritmos distintos, motivo pelo qual nem todo poema se presta para letra de música e nem toda letra de música se sustenta sem o apoio da melodia. Cartola foi um destes privilegiados.
Fico contente por saber que o “nas horas e horas e meias” lhe causa estes bons momentos e agradeço-lhe pelas visitas e comentários.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias