domingo, novembro 29

fado antigo


para marina

não sei quem é o autor da foto

ouço, se não me traem os sentidos,
soando das cordilheiras líquidas do mar,
cordas de aço cantando um fado antigo.

ouço mulheres chorando a saudade dos filhos,
dos amantes, dos maridos:
marinheiros que nunca vão voltar.

na esperança de que voltem,
trocam as flores secas das grinaldas
as noivas que nunca vão casar.

são vozes gregas, fenícias, portuguesas...
que em comum toam, com a mesma melancolia,
a dor de quem vive só. só por esperar.




Fred Matos
publicado em "Eu, Meu Outro"
Editora Poesia Diária
Maio/1999

16 comentários:

Wania disse...

Lindo teu "fado poético", Fred!

Deves saber que fado vem do latim e significa destino!
E aqui relatas muito bem o destino de muitas mulheres abandonadas por seus afetos e que viviam só a esperar, talvez isso explique porque esta música é tão triste...
Como também o é, viver só!


Ótima semana pra ti,
Bjão

Fred Matos disse...

Exatamente com estas duas acepções é que acredito deve ser lido este poema, Wania.
Agradeço-lhe pela visita, leitura e comentário.
Ótima semana.
Beijos

Lara Amaral disse...

Esperar... eis um fardo antigo.

Seu poema ficou bonito e triste como os fados; e claro, transmitiu muita emoção.

Beijos, poeta.

Fred Matos disse...

Lara,
Não sei se nos dias atuais Penélope esperaria por 20 anos a volta de Odisseu.
Agradeço-lhe por vir, ler e comentar.
Beijos

Juliana Carla disse...

Olá Fred

A espera... Ora soa esperança... Ora grita solidão... Será que o amor voltará? Incertezas do hoje, amanha, depois e mais depois...

Lindos versos!

Bjuxxx e xerooo

Fred Matos disse...

Obrigado, Juliana.
Um prazer receber a sua visita, leitura e comentário.
Ótima semana.
Beijos

Adriana Karnal disse...

Fred,
lindo,lindo,cheio de saudade...adoro esses poemas de mar, essas que esperam poelos amados...

Hercília Fernandes disse...

Fred,

além de ouvir, você materializa com imensa sensibilidade presságios, gritos e sussurros do eu-lírico feminino.

Belíssimo poema!

Beijos :)
H.F.

A Moni. disse...

Que lindo, Fred... Dá pra "ouvir" o dedilhar sobre as cordas de aço que emolduram a eterna e triste espera...

Mais um poema belíssimo!

Abraços!

myra disse...

è, a solidao de quem sempre espera, é horrivel...melhor nao esperar e viver fazendo de conta que nao espera:)sim, Wania, fado = destino...
lindo poema, amigo Fred,
beijos

Adriana Godoy disse...

Fred, um retrato triste da mulher que ainda espera. Embora antigo, há muitas que continuam com seus vestidos amarelados esperando o príncipe. Se é fado, torna-se mais melancólico ainda. ainda. beijo

Fred Matos disse...

Obrigado, Adriana. Fico contente por você gostar.
Ótima semana.
Beijos

Fred Matos disse...

Obrigado, Hercília.
Bom te rever aqui
Ótima semana.
Beijos

Fred Matos disse...

Que bom que você gostou, Moni.
Obrigado.
Ótima semana.
Beijos

Fred Matos disse...

Concordo com cada uma das suas palavras, Myra, e agradeço-lhe.
Ótima semana.
Beijos

Fred Matos disse...

E verdade, Adriana, ainda há muitas que esperam.
Agradeço-lhe pela visita, leitura e comentário.
Ótima semana.
Beijos

pesquisar nas horas e horas e meias